PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Pandemia implicou mudança no perfil do estoque e de emissões em 2020, diz Tesouro

Eduardo Rodrigues e Idiana Tomazelli

Brasília

27/01/2021 15h22

Após o estoque da Dívida Pública Federal (DPF) encerrar 2020 em R$ 5,009 trilhões - acima do teto da meta do Tesouro Nacional para a evolução do estoque no ano passado, que ia de R$ 4,600 trilhões a R$ 4,900 trilhões - o órgão avaliou que a pandemia de covid-19 forçou o governo a alterar o perfil tanto do estoque quanto das emissões de títulos no ano passado, aumentando a exposição da dívida aos ciclos monetários.

De acordo com o Tesouro, a pandemia de covid-19 elevou a necessidade líquida de financiamento em 2020 para R$ 1,282 trilhão, ante um valor projetado inicialmente em R$ 1,067 trilhão.

"Neste contexto, o Tesouro atuou de forma a garantir os recursos necessários para o pagamento das despesas extraordinárias, respeitando as condições de mercado e utilizando disponibilidades de caixa acumuladas nos últimos anos", afirmou o Tesouro.

O Tesouro destacou que houve redução dos prazos dos títulos públicos ofertados, resultando em maior concentração de dívida a vencer no curto prazo. O órgão lembra que a dívida continua predominantemente doméstica e possui uma base diversificada de investidores.

"Além disso, o cenário doméstico de expectativas de inflação ancoradas, permitindo a manutenção da taxa Selic no menor nível histórico, tem favorecido a dinâmica decrescente dos indicadores de custo da dívida, que atingiram os menores valores da série histórica ao longo de 2020", completou o órgão.

O Tesouro ressaltou ainda que mantém uma reserva de liquidez que proporcionaria graus de liberdade na gestão da dívida para atuação em situações adversas. Ainda assim, o órgão enfatizou que a reversão no perfil de endividamento visando maior alongamento dos prazos da dívida é desejável nos próximos anos.

"O alcance desse objetivo passa por esforços de consolidação fiscal e pela agenda em favor de ganhos de produtividade do país, como forma de proporcionar a redução da dívida/PIB, favorecendo a preservação de condições benignas aos indicadores de custo da dívida", acrescentou o Tesouro.

O órgão frisou ainda que, durante a pandemia, demonstrou que possui os instrumentos adequados para atendimento de suas necessidades de caixa e gestão da dívida, permitindo adaptar as colocações de títulos públicos às condições de mercado e à diversidade de sua base de investidores.

PUBLICIDADE