PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Economistas assinam carta pedindo efetividade no combate à covid-19 no Brasil

Pacientes com covid-19 no Hospital de Campanha de Ribeirão Pires - Anahi Martinho/UOL
Pacientes com covid-19 no Hospital de Campanha de Ribeirão Pires Imagem: Anahi Martinho/UOL

Cristiane Barbieri

Do Estadão, em São Paulo

21/03/2021 14h17Atualizada em 21/03/2021 20h56

Um grupo de quase 200 economistas, entre os mais renomados do país, assinam uma carta aberta em que pedem medidas efetivas de combate à pandemia. Entre eles, os ex-ministros da Fazenda Pedro Malan, Marcílio Marques Moreira, Maílson da Nóbrega e Ruben Ricupero, os ex-presidentes do Banco Central Armínio Fraga, Gustavo Loyola, Pérsio Arida, Ilan Goldfajn e Affonso Celso Pastore e ligados ao mercado financeiro, como o presidente do Credit Suisse, José Olympio Pereira, e o conselheiro do Itaú Unibanco, Pedro Moreira Salles.

O manifesto será enviado na próxima semana aos líderes dos três poderes: o presidente da República, Jair Bolsonaro, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco e o da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

Ao chamar a situação social de "desoladora", os especialistas detalham perspectivas de agravamento das condições econômicas do país. Dizem que a piora da perspectiva não se dá por ausência de recursos, mas pela falta de prioridade à vacinação. Pedem e detalham alternativas a quatro pontos: aceleração do ritmo de vacinação; incentivo ao uso e distribuição de máscaras; implementação de medidas de distanciamento social locais, com coordenação nacional; e criação de mecanismo de coordenação do combate à pandemia em âmbito nacional.

Entre outros alertas, eles dizem que, com 40% da força de trabalho do país ganhando a vida de maneira informal e sem qualquer proteção contra o desemprego, é preciso ação imediata. Pedem também a retomada urgente de medidas de apoio a pequena e médias empresas. Propõe ainda o andamento em paralelo "de uma reforma no sistema de proteção social, visando aprimorar a atual rede de assistência social e prover seguro aos informais."

Leia aqui a íntegra da carta e saiba quem assina o texto.