PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Demanda por crédito cai 7,9% em agosto, maior retração do ano, diz Serasa

É apenas a segunda queda na demanda por crédito em 2021; outra baixa aconteceu em janeiro, de 4,2% - Rob Daly/Getty Images
É apenas a segunda queda na demanda por crédito em 2021; outra baixa aconteceu em janeiro, de 4,2% Imagem: Rob Daly/Getty Images

Sofia Aguiar

São Paulo, 22

22/09/2021 15h12Atualizada em 22/09/2021 16h20

A busca pelo recurso financeiro caiu 7,9% em agosto na comparação com julho, de acordo com o Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian. O número representa a maior queda deste ano, que tinha registrado outra baixa apenas em janeiro, de 4,2%.

Todos os segmentos analisados tiveram retração, com destaque para a Indústria, que teve o tombo mais expressivo, com baixa de 12,1%. Já a análise por porte revela que os grandes negócios caíram 19,3%, movimento que não acontecia desde janeiro de 2018, quando as empresas desse porte marcaram -19,6%.

Na avaliação do economista da Serasa Experian Luiz Rabi, a queda é reflexo do sentimento de insegurança que se fortaleceu no começo de agosto, com o aumento da inflação, instabilidade política e crise hídrica.

Muitos empresários tendem a esperar um momento mais favorável para procurar pelo recurso que, principalmente para o setor de Indústria e para as grandes empresas, poderia ser usado para investir no aumento da produção.
Luiz Rabi, da Serasa Experian

Na visão por região, todas registraram baixa na busca por crédito: Centro-Oeste, com baixa de 9,4%; Sul, com -8%; Sudeste, com -7,8%; Nordeste, com -7,4%; e Norte, com -6,5%.

Já na análise anual, de agosto de 2021 com o mesmo período do ano anterior, houve aumento de 28,2% na demanda por crédito das empresas. O destaque é para os micro e pequenos negócios, que cresceram mais do que a média anual.

Na análise por setor, todos marcaram números positivos, sendo que o de Serviços teve a maior expansão, de 34,4%. Já para as regiões brasileiras, o Norte registrou a alta mais expressiva, com 30,7%.

PUBLICIDADE