PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Operação-padrão represa cargas

Brasília

13/04/2022 17h00

Cargas paradas nos portos há quase três meses. Navios sem espaço para desembarcar mercadorias. A operação-padrão dos auditores da Receita Federal tem travado a importação de insumos e prejudicado a produção de itens que vão do pão ao sabão em pó. Levantamento do Instituto Brasileiro de Comércio Internacional e Investimento (IBCI) mostra que o movimento elevou de cinco para 20 dias o prazo médio para desembaraço de cargas importadas via portos e aeroportos. Os dados estão em carta a ser encaminhada hoje ao ministro da Economia, Paulo Guedes, obtida pelo Estadão/Broadcast.

Apoiado por multinacionais como Nestlé (alimentos e bebidas) e Unilever (alimentos e produtos de higiene), o documento pede que a situação seja tratada "com a devida seriedade" e resolvida para evitar um "efeito dominó" na economia. Também assinam a carta empresas como General Mills (alimentos), Dow (químicos) e Sylvamo (papel) e entidades de setores que incluem higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (Abihpec), café solúvel (Abics) e limpeza (Abipla).

"Todo o setor de comércio internacional está de mãos atadas. Nossa intenção com a carta é trazer para o ministro uma situação que afeta todos os setores, fábricas e plantas, e que pedimos que seja resolvida da forma mais breve possível", disse o coordenador do instituto, Leandro Barcellos.

Desde o fim do ano, servidores do Fisco fazem paralisações e seguram cargas para pressionar o governo a recompor o orçamento do órgão e regulamentar um bônus de eficiência. O movimento teve início após o presidente Jair Bolsonaro prometer reajustar o salário de policiais federais, o que desencadeou também protestos de outras categorias.

Procurada, a Receita Federal não se manifestou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.