IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Parte da alta no varejo é explicada por base de comparação baixa, avalia IBGE

Rio

12/04/2023 12h35

O avanço de 3,8% no volume vendido pelo comércio varejista no País em janeiro ante dezembro foi o mais acentuado para o mês desde o início da série histórica da Pesquisa Mensal de Comércio, em 2000, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerando todos os meses do ano, a taxa foi a mais elevada desde julho de 2021, quando o varejo cresceu 3,9%.

Segundo Cristiano Santos, gerente da Pesquisa Mensal de Comércio no IBGE, parte da expansão no varejo é explicada por uma base de comparação baixa.

O avanço ocorre após dois meses de quedas: em novembro e dezembro de 2022, as vendas acumularam uma perda de 3,5%. O saldo positivo em janeiro é pequeno perto da perda anterior, avaliou Santos.

"Black Friday e Natal foram ruins. Novembro e dezembro foram de queda nas vendas. Houve relatos então em janeiro de muitas promoções", contou Cristiano Santos.

Sete das oito atividades que integram o comércio varejista registraram expansão nas vendas em janeiro de 2023 ante dezembro de 2022: Tecidos, vestuário e calçados (27,9%), Equipamentos e material para escritório informática e comunicação (7,4%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,3%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,0%), Combustíveis e lubrificantes (1,5%), Móveis e eletrodomésticos (1,3%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (0,6%). A única atividade com retração foi Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-1,2%).

O pesquisador enumerou uma série de fatores que também contribuíram para a disseminação de resultados positivos entre as atividades pesquisadas. A desvalorização do dólar ante o real beneficiou a atividade de equipamentos de informática e comunicação, por exemplo, enquanto vestuário, que vinha de uma sucessão de quatro meses de quedas nas vendas, foi puxado pelo "fenômeno de promoções de verão, com queda efetiva nos preços".

Santos ressalta ainda que o varejo também foi impulsionado por uma menor pressão inflacionária e por uma expansão do crédito para pessoas físicas.

"Ou você tem rendimento extra para aumentar o seu consumo, ou você deixa de consumir outras coisas, ou você retira da poupança, ou você tem acesso ao crédito. Então, quando o crédito cresce, há tendência de que esse crédito possa vir para atividades de consumo", disse Santos. "Mesmo com juros elevados."

A taxa de desemprego estável, com rendimento real do trabalhador em alta, também ajudou as vendas. "Sobra um pouco mais de dinheiro para aproveitar também essas promoções de verão", disse ele.

Cristiano Santos ressaltou ainda que o bom desempenho do varejo em janeiro não tem qualquer relação com a mudança metodológica sofrida pela Pesquisa Mensal de Comércio.

"Não há mudança metodológica que explique essa variação no indicador. Não é fator metodológico que explica", garantiu ele, acrescentando que "a série ajustada tem continuidade" e "robustez".