IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Lula defende que identidade sul-americana também deve ser aprofundada na área monetária

Brasília e São Paulo

30/05/2023 13h39

Em campanha por uma moeda comum para transações comerciais que reduza a dependência do dólar na América do Sul, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta terça-feira, 30, que a identidade regional precisa ser aprofundada na área monetária.

Lula discursou em cúpula promovida por ele em Brasília com chefes de Estado da América do Sul. Na abertura do evento, saiu em defesa ainda do uso da poupança para o desenvolvimento, inclusive com uso de bancos públicos, como o BNDES.

"Sem prejuízo de outras propostas que discutiremos ao longo do dia de hoje, sugiro à consideração de vocês as seguintes iniciativas: colocar a poupança regional a serviço do desenvolvimento econômico e social, mobilizando os bancos de desenvolvimento como a CAF, o Fonplata, o Banco do Sul e o BNDES", declarou o presidente do Brasil, elencando itens. "Aprofundar nossa identidade sul-americana também na área monetária, mediante mecanismo de compensação mais eficientes e a criação de uma unidade de referência comum para o comércio, reduzindo a dependência de moedas extrarregionais", acrescentou.

Convergência regulatória

Lula defendeu ainda uma integração de procedimentos regulatórios na América do Sul para facilitar trâmites comerciais na região.

"Sugiro Implementar iniciativas de convergência regulatória, facilitando trâmites e desburocratizando procedimentos de exportação e importação de bens. Ampliar os mecanismos de cooperação de última geração, que envolvam serviços, investimentos, comércio eletrônico e política de concorrência", declarou o presidente.

Clima

Ao longo de sua exposição inicial, Lula defendeu ações coordenadas para enfrentamento da mudança do clima, bem como a ampliação da cobertura vacinal na América do Sul.

"Sugiro retomar a cooperação na área de defesa com vistas a dotar a região de maior capacidade de formação e treinamento, intercâmbio de experiências e conhecimentos em matéria de indústria militar, de doutrina e políticas de defesa", acrescentou o presidente.

Lula voltou a dizer que a governança global tem mostrado dificuldade em oferecer respostas aos problemas da atualidade, o que demanda uma ação imediata dos presidentes da América do Sul. "Entre as muitas coisas que aprendi na política é que o mandato presidencial é muito mais curto do que aparenta. Não temos tempo a perder", seguiu o presidente, que está no terceiro mandato.

Unasul

Apesar da defesa da Unasul feita ao longo de todo o discurso, Lula concordou ser preciso avaliar o que não funcionou no bloco esquerdista que deseja retomar. "É essencial avaliar criticamente o que não funcionou e levar em conta essas lições", disse o presidente.

A volta da Unasul conta com a resistência de líderes de direita. O Brasil, por isso, aceita a negociação de um novo bloco multilateral que envolva todos os doze países da América do Sul.