Fed precisa monitorar riscos de apertar demais a política monetária, diz Austan Goolsbee

O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) em Chicago, Austan Goolsbee, disse que o Fed precisa ficar bastante atento aos efeitos da alta nos juros dos Treasuries de longo prazo para não correr o risco de desacelerar a economia mais do que o esperado no próximo ano.

Em entrevista ao The Wall Street Journal, Goolsbee afirmou na quarta-feira (8) que a recente escalada nos custos de empréstimos de longo prazo poderá se tornar mais importante, à medida que o Fed muda seu foco de quanto elevar os juros para por quanto tempo mantê-los próximos do maior nível em 22 anos.

"A evidência histórica sugere que as taxas longas, ainda mais do que as curtas, têm um efeito muito substancial no desempenho real da economia em uma série de áreas previsíveis - construção, investimentos, bens de consumo duráveis", disse Goolsbee. "Se isso se mantiver, o Fed terá de pensar no impacto restritivo dessas condições de crédito no desempenho econômico e se haverá perigo de aperto monetário excessivo," acrescentou.

Goolsbee disse ainda ao WSJ estar otimista de que a economia conseguirá permanecer em uma chamada "trajetória dourada", em que a inflação diminui para algo mais próximo da meta de 2% do Fed, sem aumento significativo do desemprego. Segundo ele, porém, a questão de por quanto tempo manter os juros básicos nos níveis atuais pode ser determinada por eventuais choques externos.

"Precisamos prestar atenção, de maneira coletiva, a choques externos em momentos assim, em vez de discutirmos se" o avanço mais forte do mercado de trabalho irá inviabilizar esforços de reduzir a inflação, disse Goolsbee. "É possível traçar uma 'trajetória dourada', desde que os choques externos não sejam maiores e inesperados de uma forma que nos tirem do rumo."

Goolsbee, que é membro votante do Fed este ano, disse também que é muito cedo para dizer se ou quando o BC americano poderá considerar reduções de juros. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes