Ibovespa cai para a faixa dos 130 mil pontos, em meio a recuo das commodities e sem NY

A desvalorização das commodities empurra o Ibovespa para baixo na manhã desta segunda-feira, 15. Além disso, a liquidez tende a ser reduzida, já que as bolsas de Nova York não abrirão nesta data por causa do feriado de Martin Luther King nos Estados Unidos.

Apesar do recuo de cerca de 3,00% do minério de ferro e em torno de 1,00% do petróleo, o recuo do Índice Bovespa é moderado. Até porque não há quase nada de condutores, em dia de agenda de indicadores esvaziada, mas que ganhará força ao longo da semana.

Enquanto isso, os investidores ficam atentos a eventuais sinais sobre a Medida Provisória (MP) da reoneração da folha de pagamentos, o que pode vir a partir de uma reunião entre o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, no fim do dia.

Na Europa, as bolsas europeias caem, no primeiro dia do Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça, e no aguardo de sinais de política monetária. Nesta semana, será divulga a ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).

A despeito da queda de 3,17% do minério de ferro em Dalian, na China, as ações da Vale cediam com menos intensidade. Às 10h46, caíam 1,10%. Também apesar do recuo de cerca de 1,00% do petróleo no exterior, os papeís a Petrobras operavam perto da estabilidade.

Apesar do declínio das commodities, as ações das aéreas caíam com força, em meio a notícias do setor, que enfrenta dificuldades financeiras.

As ações da Gol puxaram as perdas, ao ceder cerca 12%. Azul PN caía 3,58% perto de 11 horas.

Nesta segunda-feira, contrariando expectativas de redução, o banco central chinês (PBoC) deixou inalteradas as taxas de juros do país, gerando especulação sobre os próximos passos da política monetária da China.

Na sexta-feira, o Índice Bovespa fechou em alta de 0,26%, aos 130.987,67 pontos, caindo 0,78% na semana. No horário citado acima, o Ibovespa cedia 0,22%, aos 130.700,11 pontos, depois de cair 0,56%, na mínima aos 130.252,73 pontos, ante abertura aos 130.988,17 pontos, com variação zero.

Aqui, o cenário deve ser de indefinição até que vaze o nível dos 128 mil pontos ou suba a 133 mil pontos, que foi o recorde, salienta o economista Álvaro Bandeira. "A expectativa é bastante positiva em relação ao fluxo de recursos, principalmente de estrangeiros, mas isso para o médio prazo", diz em comentário matinal.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora