Ouro fecha em queda, após dado forte dos EUA impulsionar dólar e juros dos Treasuries

O contrato futuro mais líquido do ouro fechou em queda de mais de 1% nesta quarta-feira, 16, e se aproximou da marca psicológica de US$ 2 mil por onça-troy, com pressão do aumento dos rendimentos dos Treasuries e do dólar após dados mais fortes da economia dos Estados Unidos diminuir expectativas de cortes de juros mais agressivos pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) em 2024.

Na Comex, divisão para metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para fevereiro de 2024 fechou em queda de 1,17%, a US$ 2.006,50 por onça-troy.

Após dados do varejo mais fortes que o esperado pelo mercado nos EUA, a ferramenta FedWatch, do CME Group, reduziu as chances de que o primeiro corte de juros do Fed ocorra em março, com dúvidas se a inflação está suficientemente controlada para um relaxamento monetário.

O Bank of America (BofA), olhando para outros metais preciosos, avalia que a razão entre o ouro e o prata vem aumentando ultimamente, principalmente devido à demanda mais fraca pela prata - considerado um metal mais industrial.

"Uma recuperação da economia global nos próximos meses apoiaria o mercado de prata. Já agora, notamos que as importações de prata do Japão e dos EUA estão fora dos mínimos e podem tender a aumentar a partir daqui", diz o banco.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes