Com foco no fiscal, Ibovespa inicia semana em baixa de 0,81%, aos 126,6 mil

Ainda descolado do sinal positivo em Nova York, e hoje conectado à retomada de incertezas sobre a trajetória fiscal doméstica - com o lançamento de "nova política industrial" do governo baseada no BNDES, o que reaviva lembrança de iniciativas do passado recente -, o Ibovespa começou a semana de ré, em queda de 0,81%, aos 126.601,55 pontos, ainda no menor nível de encerramento desde 12 de dezembro. Em NY, onde os três principais índices vêm de ganhos na semana passada, a alta ficou entre 0,22% (S&P 500) e 0,36% (Dow Jones) nesta segunda-feira.

Na B3, o giro de hoje se limitou a R$ 18,6 bilhões, em sessão na qual o Ibovespa oscilou dos 125.875,65 aos 127.842,59 pontos, saindo de abertura aos 127.636,32 - com o pêndulo tendo variado mais para baixo do que para cima ao longo do dia, estendendo a correção do ano. Nas últimas cinco sessões, o Ibovespa caiu em quatro e subiu apenas na da sexta-feira, 19. Assim, em janeiro, cede agora 5,65%.

A perda do Ibovespa na sessão não foi maior porque Petrobras conseguiu avançar 0,23% (ON) e 0,45% (PN), acompanhando ao longe o ganho em torno de 2% para o petróleo na sessão, que recolocou o Brent a US$ 80 por barril.

Vale ON caiu hoje 0,44% e a queda entre os grandes bancos chegou a 1,64% (Itaú PN) no fechamento - exceção para Santander (Unit +0,13%) no fim do dia. Na ponta ganhadora, destaque para BRF (+4,92%), Cielo (+3,12%) e Embraer (+1,97%). No lado oposto, Hapvida (-5,72%), Lojas Renner (-5,44%, refletindo rebaixamento da recomendação do Citi, de 'compra' para 'neutra') e Assaí (-4,83%).

Além de Renner e Assaí, outras ações do setor de varejo e consumo fecharam o dia em baixa, em reação a ajuste na curva de juros futuros derivado da retomada de temores sobre a situação fiscal: o índice de consumo, exposto ao ciclo doméstico, cedeu hoje 1,60%, em variação bem superior à registrada no de materiais básicos (-0,84%), que reúne as ações de commodities, correlacionadas à demanda e preços externos.

"A nova política industrial, com foco em incentivos fiscais para setores específicos, gerou preocupações entre investidores: deixa o mercado inseguro e colabora para a Bolsa caminhar na contramão do exterior", diz Lucas Almeida, sócio da AVG Capital, observando que as taxas de DI de longo prazo atingiram máximas da sessão após as preocupações com o fiscal terem se intensificado.

"A Bolsa deu prosseguimento hoje à tendência de queda, trabalhando perto de uma região de suporte importante, a dos 125 mil pontos, sem até o momento perdê-la. A B3 tem se descolado do mercado americano neste começo de ano, no que até então vinha se mostrando uma correlação importante para o avanço da Bolsa brasileira no fim de 2023", aponta Thiago Lourenço, operador de renda variável da Manchester Investimentos.

Ele chama atenção para a pressão observada no câmbio nesta sessão de abertura da semana, com o dólar em alta de mais de 1% frente ao real, convergindo para o "ímã de R$ 5 - no fechamento, a moeda americana mostrava avanço de 1,23%, a R$ 4,9873.

A piora na percepção fiscal também resultou em uma "acelerada" na curva de juros doméstica nesta segunda-feira. "A questão fiscal afeta no curto prazo, mas a dinâmica das commodities tende a exercer papel maior na precificação do Ibovespa - seja no sentido de recuperação ou de correção adicional do índice, por realinhamento de preços das matérias-primas", diz o operador da Manchester.

No front fiscal, pela manhã, o governo anunciou que o BNDES vai mobilizar cerca de R$ 250 bilhões para projetos de "neoindustrialização" até 2026. Esses recursos integram o total de R$ 300 bilhões previsto para o plano Mais Produção, gerido pelo BNDES, pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, afirmou hoje, durante o lançamento da iniciativa em Brasília, que não há como reerguer a indústria brasileira sem uma nova relação entre Estado e mercado. Mercadante defendeu ainda que o Brasil precisa de transição digital acelerada, e que a transição para a economia verde depende da participação do Estado, na medida em que é caro desenvolver novas tecnologias.

"Nós não temos como reerguer a indústria brasileira sem uma nova relação entre Estado e mercado. Não é substituir o mercado, não é não acreditar na importância do mercado, que é uma instituição indispensável ao desenvolvimento econômico. Mas o Brasil precisa disso diante dos desafios históricos, da transição digital acelerada e do imenso desafio que é essa crise ambiental", disse Mercadante durante lançamento da nova política industrial, chamada "Nova Indústria Brasil", no Palácio do Planalto.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora