Moedas globais: dólar recua e euro sobe, com dados em foco e fôlego limitado antes do Fed

O dólar caiu frente a outras moedas principais em geral, com impulso limitado na véspera da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). A moeda chegou a reduzir perdas após dados melhores que os esperados nos Estados Unidos, mas sem inverter o sinal.

O euro, por sua vez, teve avanço modesto, com investidores avaliando dados que mostraram quadro fraco na região da moeda comum. Entre as moedas emergentes, o peso mexicano se valorizou, mas teve ganhos contidos por leitura inferior à esperada do Produto Interno Bruto (PIB) do México.

No fim da tarde em Nova York, o dólar subia a 147,64 ienes, o euro avançava a US$ 1,0845 e a libra tinha baixa a US$ 1,2693. O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, fechou em baixa de 0,20%, a 103,397 pontos.

Na agenda de indicadores, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro ficou estável no quarto trimestre de 2023 ante os três meses anteriores. Analistas previam queda de 0,1%, mas vários deles advertiam que o quadro não era de otimismo. A Capital Economics projeta estagnação no primeiro semestre, diante de efeitos do aperto monetário do Banco Central Europeu (BCE). O Commerzbank diz que não há motivo para celebrar no PIB da região, considerando uma recuperação improvável no resto do ano. Apenas na Alemanha, o PIB recuou 0,3% no quarto trimestre ante o anterior, na leitura preliminar, em linha com o previsto.

Também hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou projeções para a economia global. Ele espera agora crescimento de 3,1% em 2024 (em outubro, esperava avanço de 2,9%), e vê o mundo a caminho do almejado "pouso suave". O Fundo elevou a expectativa para o crescimento dos EUA neste ano, de 1,5% a 2,1%, mas cortou a da zona do euro, de 1,2% a 0,9%.

Na agenda dos EUA, a abertura de postos de trabalho subiu a 9,026 milhões em dezembro, acima do esperado. O índice de confiança do consumidor do Conference Board avançou a 114,8 em janeiro, ante previsão de 113,3. Após os dados, o monitoramento do CME Group mostrava redução na chance de o Fed cortar os juros em março. Na avaliação de analistas, o Fed deve amanhã dar alguns passos na direção do corte e manter março como opção, mesmo que adote postura mais cautelosa sobre como prosseguir adiante.

No México, o PIB preliminar do quarto trimestre cresceu 2,4%, na comparação anual, abaixo da previsão de avanço de 3,4% dos analistas ouvidos pela FactSet. Após o dado, o peso reduziu ganhos frente ao dólar. No horário citado, o dólar recuava a 17,1790 pesos mexicanos.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes