Dólar recua em meio a alívio em rendimentos médios e longos de Treasuries

O dólar recua na manhã desta quinta-feira, 22, em meio ao alívio nos rendimentos dos Treasuries. Os ajustes refletem um apetite por risco nos mercados puxado pelo rali das ações da Nvidia em Nova York, depois da elevação dos retornos dos títulos americanos na quarta-feira, 21, após a ata do Fed reforçar a chance de início de corte de juros em junho nos EUA.

O investidor olha também o Boletim Focus, enquanto difere a ata da reunião de política monetária do Banco Central Europeu (9h30) e aguarda os números de arrecadação do governo brasileiro em janeiro (10h30).

No Focus dsta quinta, a previsão para déficit primário em relação ao PIB seguiu em 0,80%. A meta do governo para este ano é de resultado primário zero. Já a projeção para o IPCA de 2024 passou de 3,82% para 3,81%, e para 2025 passou de 3,51% para 3,52%.

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, apresentou na quarta-feira o cronograma da revisão de gastos públicos em 2024 em reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. O projeto é uma colaboração da pasta para identificar programas menos eficientes que podem ter uma melhor alocação dos recursos, com o foco de dar nova prioridade o uso do dinheiro público, e auxiliar na perseguição da meta fiscal neutra.

Haddad afirmou na quarta que o governo deve acatar a proposta do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para dividir os conteúdos da medida provisória (MP) que propôs a reoneração gradual da folha de pagamento, em projeto de lei com urgência constitucional para temas que já foram tratados pelo Legislativo. O ministro disse que isso deve ocorrer antes do final de março.

O ministro disse ainda que conversou com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sobre a controvérsia em torno dos valores do Perse e pediu mais prazo para apresentar os dados tendo em vista o fim recente da paralisação de auditores fiscais.

Também nesta quinta, o diretor de Política Monetária do BC, Gabriel Galípolo, fala em evento da Camara Espanhola, em São Paulo, a partir das 9h.

No exterior, a agenda traz ainda nos EUA dados de pedidos semanais de auxílio-desemprego às 10h30; e os PMIs composto, de serviços e industrial preliminares de fevereiro às 11h45.

Às 9h32, o dólar futuro para março cedia 0,20%, aos R$ 4,9290. Em Nova York, o juro da T-note de 2 anos estava a 4,679% (ante 4,678% no fim da tarde de quarta), o da T-note de 10 anos recuava a 4,317% (ante 4,325%) e o do T-bond de 30 anos diminuía a 4,476% (ante 4,486%). O índice DXY do dólar ante seis divisas principais recuava 0,31%, a 103,68 pontos.