Desafio é acelerar carteiras de investimentos no Brasil, diz ministro de Portos e Aeroportos

Acelerar as carteiras de investimentos no Brasil é um dos principais desafios do governo e do Ministério de Portos e Aeroportos, disse nesta quarta-feira, 6, o chefe da pasta, Silvio Costa Filho. Ele voltou a defender a conciliação entre aportes públicos e privados para impulsionar os projetos de infraestrutura em portos e aeroportos.

"Precisamos estar com portos e aeroportos estruturados para o Brasil se consolidar economicamente", afirmou o ministro em evento sobre investimentos em portos e hidrovias promovido nesta quarta-feira na B3.

No encontro, foi anunciado que a União espera leiloar 16 áreas em portos pelo País em 2024, total de R$ 8 bilhões em investimentos. O primeiro está previsto para acontecer em abril na B3.

Até o fim do mandato do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o plano é levantar cerca de R$ 14,5 bilhões por meio de 35 leilões de áreas portuárias.

Entre os projetos, o ministro destacou os relacionados a granéis sólidos e líquidos, pelos quais há uma forte demanda.

Segundo Costa Filho, a ideia é impulsionar o setor portuário, enquanto nunca houve um planejamento estratégico para portos no Brasil, apesar da relevância econômica do segmento. As atividades no setor portuário cresceram 6% ano passado ante alta de 2,9% da economia brasileira como um todo.