Investimento de US$ 6,9 tri ao ano é necessário para infraestruturas sustentáveis, diz OCDE

Temperaturas recordes provocaram temporadas mais longas de incêndios florestais e mais ondas de calor, inundações e secas em 2023, apontou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relatório divulgado nesta terça-feira, 9. O documento sustenta que investimentos "massivos" serão necessários para desenvolver uma infraestrutura sustentável resiliente e capaz de mitigar riscos climáticos, o que representa uma soma anual de US$ 6,9 trilhões até 2030 para ser compatível com os objetivos do Acordo de Paris, segundo estudo da OCDE.

O relatório detalha a pressão crescente destes fenômenos climáticos sobre as infraestruturas em todos os setores, desde as redes de eletricidade, comunicações e transportes até à água e ao tratamento de resíduos, sendo os países em desenvolvimento particularmente atingidos.

As nações terão de tomar medidas para resolver esta questão, desempenhando os governos regionais e locais um papel essencial, sendo responsáveis por 69% do investimento público significativo para o clima nos países da OCDE.

Paralelamente, os ativos de infraestruturas constituem uma parte importante dos danos, tendo as perdas econômicas resultantes de catástrofes aumentado sete vezes entre as décadas de 1970 e 2010, passando de uma média de US$ 198 bilhões para US$ 1,6 trilhões.