Dólar cai de olho em apetite por risco em NY, CPI chinês e Focus antes de ata e Powell

O dólar opera em baixa na manhã desta segunda-feira, 13, diante de apetite leve por ativos de risco em Nova York, com alta das bolsas e das commodities, enquanto os rendimentos dos Treasuries e a divisa americana recuam. Na China, a inflação ao consumidor ficou acima do esperado em abril, indicando melhora da demanda interna.

No noticiário corporativo, a Azul reportou prejuízo líquido de R$ 1,118 bilhão no primeiro trimestre de 2024, ampliando as perdas ante a cifra negativa de R$ 322,2 milhões reportada no mesmo período de 2023. No critério ajustado, o prejuízo líquido somou R$ 324,2 milhões, 55,4% melhor do que um ano antes.

Investidores digerem ainda o boletim Focus em meio à espera pela ata do Copom, na terça-feira, 14, quando o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, participa de evento na Holanda, e sai também a inflação ao produtor nos EUA (PPI). O CPI americano está programado na quarta-feira.

Para a ata, analistas esperam que o documento traga maior clareza sobre o racha na votação da semana passada, na qual os diretores aprovaram o corte de 0,25 ponto porcentual na taxa Selic, a 10,50% ao ano, por 5 a 4 votos, com os quatro diretores indicados pelo governo atual defendendo a manutenção da redução de 0,50 ponto.

No boletim Focus, do Banco Central, os agentes do mercado financeiro elevaram as estimativas para a inflação deste e do próximo ano. O IPCA para 2024 passou de 3,72% para 3,76%, enquanto para 2025, subiu de 3,64% para 3,66%. Para 2026 e 2027, a estimativa para a inflação permaneceu em 3,50%.

As enchentes no Rio Grande do Sul continuam como fator de cautela, pelo impacto na safra agrícola e pelos reflexos no quadro fiscal, com os desembolsos da União no auxílio ao Estado. Em mais uma ação para ajudar na recuperação do Estado gaúcho, o governo abriu um crédito extraordinário de R$ 12,2 bilhões, que eleva o total já liberado pelo governo para a região a mais de R$ 60 bilhões, segundo comunicado do Planalto. O governo ainda discute um voucher, incremento do Bolsa Família e auxílio emergencial a famílias do Rio Grande do Sul.

No exterior, são aguardadas nesta segunda as falas do vice-presidente do Fed, Philip Jefferson, e a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester.

Às 9h39 desta segunda-feira, o dólar à vista caía 0,33%, a R$ 5,1414. O dólar para junho recuava 0,48%, a R$ 5,1495. O índice DXY do dólar ante pares principais perdia 0,15%. O juro da T-Note 10 anos recuava a 4,477%, ante 4,499% no fim da tarde de sexta-feira.