Bolsas da Europa operam perto da estabilidade, à espera de dados de inflação dos EUA

Por Sergio Caldas

São Paulo, 14/05/2024 - As bolsas europeias operam sem direção única e perto da estabilidade na manhã desta terça-feira, enquanto investidores mantêm a cautela antes da publicação de dados de inflação dos EUA.

Por volta das 6h (de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 tinha baixa marginal de 0,02%, a 520,77 pontos.

Nesta semana, as atenções estão voltadas para novos números de inflação dos EUA, que podem influenciar as apostas para a trajetória dos juros básicos americanos. Hoje, será divulgada atualização sobre preços ao produtor (PPI) americano. Amanhã (15), saem números da inflação ao consumidor (CPI). No quadro atual, com sinais de persistência inflacionária, a previsão é de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não começará a reduzir juros antes de setembro.

Também no radar, está o presidente do Fed, Jerome Powell, que participa de evento na Holanda nesta terça.

De volta à Europa, a Destatis confirmou mais cedo que a taxa anual do CPI anual da Alemanha ficou em 2,2% em abril, repetindo a variação de março. O indicador vem em um momento em que o Banco Central Europeu (BCE) se prepara para anunciar seu primeiro corte de juros, provavelmente na reunião de junho, uma vez que a inflação na zona do euro continua se encaminhando para a meta oficial de 2%. Já no Reino Unido, a taxa de desemprego subiu levemente no trimestre até março, a 4,3%, enquanto o avanço salarial anual ficou inalterado em 6% no período.

No noticiário corporativo, a gigante de mineração Anglo American revelou mais cedo uma reestruturação, que envolve a venda de vários ativos, após rejeitar uma segunda oferta de compra da concorrente BHP. Em Londres, no horário acima, a ação da Anglo caía quase 3%, enquanto a da BHP avançava 2,1%.

Às 6h16 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,15%, enquanto a de Paris caía 0,09% e a de Frankfurt recuava 0,20%. As de Milão, Madri e Lisboa, por sua vez, tinham ganhos de 0,31%, 0,03% e 0,43%, respectivamente.

Contato: sergio.caldas@estadao.com