IBC-Br cai 0,34% em março ante fevereiro, com ajuste, revela Banco Central

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) retraiu 0,34% em março, na série livre de efeitos sazonais. Em fevereiro, a alta havia sido também de 0,34%, de acordo com dado revisado nesta quarta-feira, 15.

De fevereiro para março, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 148,47 pontos para 147,96 pontos na série dessazonalizada. O resultado é o pior desde dezembro do ano passado, quando pontuou 147,22.

O dado do IBC-Br veio pior que a mediana das expectativas coletadas pelo Projeções Broadcast, de recuo de 0,20% no indicador no mês. No geral, o intervalo aguardado ia de queda de 1,0% a crescimento de 0,60%.

Já na comparação entre os meses de março de 2024 e de 2023, houve retração de 2,18% na série sem ajustes sazonais. Esta série registrou 154,92 pontos no terceiro mês do ano, o segundo melhor desempenho para meses de março da série histórica do BC iniciada em 2003, só atrás dos 158,38 pontos do ano passado.

O indicador de março ante o mesmo mês de 2023 ficou ligeiramente pior que a mediana de queda de 2,15% da pesquisa do Projeções Broadcast. As expectativas coletadas no levantamento variavam de retração de 3,70% até elevação de 1,60%.

Conhecido como uma espécie de "prévia do BC" para o Produto Interno Bruto (PIB), o IBC-Br serve mais precisamente como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. Atualmente, o BC prevê crescimento de 1,9% para o PIB deste ano, enquanto o governo projeta avanço de 2,2%.

Revisões

O Banco Central revisou parte dos dados do IBC-Br na margem, na série com ajuste. O porcentual de fevereiro foi alterado de +0,40% para +0,34% e o de janeiro foi revisado de +0,52% para +0,51%.

No caso de dezembro, o indicador passou de +0,70 para +0,67%. O resultado de novembro passou de +0,08% para +0,04%, enquanto o de outubro permaneceu em -0,01%.