Pochmann: IBGE prepara 17 pesquisas novas ou a serem retomadas a partir de 2026

O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Marcio Pochmann, disse que o IBGE prepara 17 pesquisas novas ou a serem retomadas a partir do ano que vem.

"Estamos trabalhando em 17 pesquisas novas, removidas ou que deixamos de fazer a serem lançadas na segunda metade desta década", disse Pochmann. Ele falou a jornalistas na cerimônia de comemoração de 88 anos do IBGE.

Ele citou a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), que investiga os hábitos de consumo da população, servindo de parâmetro para a medição do índice de preços ao consumidor amplo (IPCA), a inflação oficial do País. Das mais importantes contribuições da autarquia, a POF está prevista, mas atrasada há alguns anos por falta de orçamento. A última edição foi a de 2017-2018.

Ainda no grupo de pesquisas, Pochmann listou o levantamento sobre economia urbana informal, que deve ser retomada, e uma nova pesquisa sobre o PIB do Mar, ou da Amazônia Azul, como colocou o presidente do instituto.

Um quarto levantamento mencionado foi o Censo Agropecuário. Aí, o IBGE trabalha para levantar dados junto a outras instituições como bancos responsáveis por crédito rural a fim de ter questionários pré-preenchidos, o que facilitaria a operação e reduziria gastos.

Questionado sobre eventual pedido de orçamento adicional para a realização dessas pesquisas, Pochmann disse que a iniciativa ainda está em fase de discussões internas e que ainda não há um montante fechado a ser solicitado ao governo federal.

Acordos e museu

Na ocasião, também foram assinados acordos de cooperação tecnológica e protocolos de intenção com órgãos públicos, como Sudene, Banco do Nordeste, DataPrev, Serpro, Tribunal Superior do Trabalho e Ministério da Previdência Social.

Também foi inaugurada a primeira Casa Brasil IBGE, espaço de memória e tecnologia com o objetivo de difundir o trabalho de produção de dados do IBGE junto à população. O espaço vai ficar no Palácio da Fazenda, sede do Ministério da Fazenda, no centro do Rio de Janeiro.

"Essa é a primeira Casa Brasil IBGE e outras virão em breve", disse Pochmann. A ideia é que espaços semelhantes sejam reproduzidos em cada uma das superintendências estaduais do IBGE. Haverá, ainda, um site próprio do projeto.

Na unidade do Rio haverá exposição dos equipamentos históricos de produção de mapas e questionários dos Censos, demonstração de exemplares oriundos da Reserva do Roncador, no Distrito Federal, e do Herbário RadamBrasil do IBGE, localizado no Jardim Botânico de Salvador (BA).