Bolsas

Câmbio

Geração perdida? Jovens não investem e correm risco na aposentadoria

SÃO PAULO – Um estudo realizado pela BNY Mellon, especializada em gestão de investimentos e serviços a investidores, em parceria com uma equipe de estudantes da Universidade de Cambridge, nos Estados Unidos, mostrou que mais de 60% dos brasileiros da Geração Y não recebem informações financeiras das empresas em que trabalham ou de instituições de ensino. Essa carência de conhecimento financeiro faz com que o jovem investidor não invista de forma adequada e ainda, coloque em risco sua aposentadoria.

A pesquisa, intitulada "Geração Perdida: Motivando a Geração Y a fazer investimentos para a aposentadoria", visou mapear o conhecimento desta geração acerca das opções financeiras que lhes são disponíveis; suas necessidades educacionais e de produtos; e suas atitudes com relação a finanças pessoais. Ao todo foram entrevistados 1.253 membros da Geração Y (nascidos entre 1980 e a virada do século) de seis mercados-chave: Austrália, Brasil, Holanda, Japão, Reino Unido e Estados Unidos.

Os pesquisadores descobriram que muitos Millennials, como também são chamados, estão se deparando com uma aposentadoria menos confortável do que seus pais e avós, devido aos cenários demográfico, político e macroeconômico atuais. Mesmo assim, a falta de conhecimento sobre questões financeiras, que parece ser resultado tanto da falta de instrução como de interesse, faz com que muitos não estejam cientes do futuro e não se preocupem em investir. "Jovens precisam ser regularmente contatados por meio de múltiplos canais, se a intenção é prepará-los para lidar com os desafios que devem enfrentar e garantir a sua própria aposentadoria", diz Sadia Cuthbert, head de Desenvolvimento de Negócios na Cambridge Judge Business School.

De acordo com o relatório, 60% dos brasileiros da Geração Y estimam o tamanho do fundo que necessitarão para a aposentadoria por meio de palpites ao invés de se basearem em dados da indústria, com um adicional de 31% que afirmam dar um "palpite estudado".

Outra descoberta está na alocação dos ativos: dada a oportunidade de escolha, os Millennials brasileiros alocariam 47% de sua carteira em produtos de finanças sociais, frente a 95% do total de entrevistados que acreditam na limitação de opções em fundos de pensão.

Os dados também mostram que a insuficiência da educação financeira é uma ótima oportunidade para provedores de serviços financeiros tais como seguradoras de vida, bancos e gestores, para abordarem a Geração Y de novas formas. "Empresas de serviços financeiros deveriam desenvolver e educar a geração Y sobre investimentos responsáveis e finanças sociais, e tornar mais fácil para que eles aloquem uma porcentagem de suas poupanças para a aposentadoria nesse segmento", afirma John Buckley, chefe global de Responsabilidade Social Corporativa no BNY Mellon.

A mesma ideia é compartilhada por Paul Traynor, head de Seguros para Europa, Oriente Médio e África, Ásia e Pacífico & América Latina no BNY Mellon, que diz: "Sem uma nova abordagem, enfrentamos um risco real de que a Geração Y se torne a Geração Perdida – perdida tanto para o setor de serviços financeiros como em termos de sua própria preparação para a aposentadoria". E completa: "Os membros da Geração Y querem que lhes seja dita a verdade sobre o quão pobre eles poderão ficar na aposentadoria se eles não começarem a poupar cedo. Eles precisam ouvir mais mensagens que confrontem, sejam honestas e realistas sobre os desafios a serem enfrentados no processo de garantir suas aposentadorias".ÃO PAULO – Um estudo realizado pela BNY Mellon, líder global em gestão de investimentos e serviços a investidores, em parceria com uma equipe de estudantes da Universidade de Cambridge, nos Estados Unidos, mostrou que mais de 60% dos brasileiros da Geração Y não recebem informações financeiras das empresas em que trabalham ou de instituições de ensino. Essa carência de conhecimento financeiro faz com que o jovem investidor não invista de forma adequada e ainda, coloque em risco sua aposentadoria.

A pesquisa, intitulada "Geração Perdida: Motivando a Geração Y a fazer investimentos para a aposentadoria", visou mapear o conhecimento desta geração acerca das opções financeiras que lhes são disponíveis; suas necessidades educacionais e de produtos; e suas atitudes com relação a finanças pessoais. Ao todo foram entrevistados 1.253 membros da Geração Y (nascidos entre 1980 e a virada do século) de seis mercados-chave: Austrália, Brasil, Holanda, Japão, Reino Unido e Estados Unidos.

Os pesquisadores descobriram que muitos Millennials, como também são chamados, estão se deparando com uma aposentadoria menos confortável do que seus pais e avós, devido aos cenários demográfico, político e macroeconômico atuais. Mesmo assim, a falta de conhecimento sobre questões financeiras, que parece ser resultado tanto da falta de instrução como de interesse, faz com que muitos não estejam cientes do futuro e não se preocupem em investir. "Jovens precisam ser regularmente contatados por meio de múltiplos canais, se a intenção é prepará-los para lidar com os desafios que devem enfrentar e garantir a sua própria aposentadoria", diz Sadia Cuthbert, head de Desenvolvimento de Negócios na Cambridge Judge Business School.

De acordo com o relatório, 60% dos brasileiros da Geração Y estimam o tamanho do fundo que necessitarão para a aposentadoria por meio de palpites ao invés de se basearem em dados da indústria, com um adicional de 31% que afirmam dar um "palpite estudado".

Outra descoberta está na alocação dos ativos: dada a oportunidade de escolha, os Millennials brasileiros alocariam 47% de sua carteira em produtos de finanças sociais, frente a 95% do total de entrevistados que acreditam na limitação de opções em fundos de pensão.

Os dados também mostram que a insuficiência da educação financeira é uma ótima oportunidade para provedores de serviços financeiros tais como seguradoras de vida, bancos e gestores, para abordarem a Geração Y de novas formas. "Empresas de serviços financeiros deveriam desenvolver e educar a geração Y sobre investimentos responsáveis e finanças sociais, e tornar mais fácil para que eles aloquem uma porcentagem de suas poupanças para a aposentadoria nesse segmento", afirma John Buckley, chefe global de Responsabilidade Social Corporativa no BNY Mellon.

A mesma ideia é compartilhada por Paul Traynor, head de Seguros para Europa, Oriente Médio e África, Ásia e Pacífico & América Latina no BNY Mellon, que diz: "Sem uma nova abordagem, enfrentamos um risco real de que a Geração Y se torne a Geração Perdida – perdida tanto para o setor de serviços financeiros como em termos de sua própria preparação para a aposentadoria". E completa: "Os membros da Geração Y querem que lhes seja dita a verdade sobre o quão pobre eles poderão ficar na aposentadoria se eles não começarem a poupar cedo. Eles precisam ouvir mais mensagens que confrontem, sejam honestas e realistas sobre os desafios a serem enfrentados no processo de garantir suas aposentadorias".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos