PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Vivo e WEG têm leve alta na véspera da divulgação do resultado do 2º trimestre

23/07/2019 13h41

Na tarde desta terça-feira na bolsa paulista, as ações da Telefônica operam com ganhos de 0,39% a R$ 53,81, enquanto as da WEG (SA:WEGE3) somam 0,44% a R$ 22,70. As companhias divulgam na quarta-feira, antes da abertura dos mercados, o resultado do segundo trimestre do ano.

Para a Telefônica, o mês é positivo, acumulando alta de 8,68% no período. Já no ano, os ganhos dos papéis da companhia são de 20,78%, considerando até o fechamento de segunda-feira (22).

Para a WEG, julho é marcado por ganhos de 6,00%, enquanto 2019 acumula valorização de 30%, também levando em consideração somente até o pregão de ontem.

Telefônica Brasil (SA:VIVT4)

Para a dona da marca Vivo, as estimativas são para um lucro líquido por ação de R$ 0,83, montante que fica abaixo dos R$ 1,86 registrados um ano antes, sendo que a aposta do mercado era de R 1,81. Já na abertura do ano, a tele teve resultado de R$ 0,79, em linha com o esperado.

Para a receita, o consenso aponta para R$ 10,92 bilhões entre abril e junho, diante de um total de R$ 10,82 bilhões na comparação anual, sendo que eram esperados R$ 11,1 bilhões. Nos três primeiros meses do ano, o resultado foi de R$ 10,98 bilhões, ante uma expectativa de R$ 10,94 bilhões.

O BTG Pactual (SA:BPAC11), que tem recomendação de compra para Vivo, tem a expectativa de receitas de R$ 10,851 bilhões para o período. Para o Ebitda, a projeção é de R$ 3,792 bilhões, ligeiramente acima dos R$ 3,732 bilhões de um ano antes, com a margem em Ebitda em 35% entre abril e junho de 2019. Já o lucro deve ficar em R$ 1,297 bilhão, contra R$ 1,123 bilhão de um ano antes.

WEG

O segundo trimestre do ano deve trazer lucro líquido de R$ 0,18 para a companhia, de acordo com a mediana das expectativas dos analistas, resultado que supera os R$ 0,16 registrados um ano antes, quando superou as estimativas que eram de R$ 0,14. Entre janeiro e março, o resultado foi de R$ 0,15 por ação, abaixo dos R$ 0,16 que eram esperados.

Para as receitas, o consenso para abril a junho é de R$ 3,29 bilhões, superando os R$ 3,06 bilhões de um ano atrás, quando eram esperados R$ 2,82 bilhões. Já na abertura de 2019, o resultado foi de R$ 2,93 bilhões, abaixo dos R$ 2,99 bilhões estimados.

Já para a WEG, a recomendação do BTG é neutra, esperando receita líquida no segundo trimestre de R$ 3,361 bilhões, contra R$ 3,057 bilhões do mesmo período de 2018. O Ebitda deve ficar em R$ 528 milhões, também acima dos R$ 428 milhões de um ano antes, com a margem no segundo trimestre de 2019 em 16%. Já o lucro líquido é estimado em R$ 381 milhões, superando os R$ 337 milhões de um ano antes.