PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado nesta sexta-feira

13/09/2019 07h09

As ações estão próximas de novos recordes de todos os tempos, depois que a China alimentou esperanças de um acordo comercial com os EUA. Aqui está o que você precisa saber sobre mercados financeiros nesta sexta-feira, 13 de setembro.

1. China incentiva esperanças comerciais

A China incentivou indiretamente as esperanças de entendimento comercial com os EUA, quando o editor do Global Times, Hu Xijin, sugeriu via Twitter que o governo chinês está se apoiando em compradores agrícolas para retomar as compras de soja e carne de porco dos americanos.

Os tweets de Hu não são política do governo, mas têm sido um indicador razoavelmente confiável do pensamento chinês sobre comércio nos últimos meses, refletindo o status do Global Times como veículo do pensamento do Partido Comunista Chinês.

A notícia veio depois que o presidente Donald Trump tentou subestimar um relatório da Bloomberg na quinta-feira, sugerindo que ele estava preparado para oferecer uma trégua temporária, adiando ou mesmo revertendo algumas tarifas dos EUA sobre produtos chineses. Trump disse a repórteres que "preferiria fechar todo o acordo".

2. Ações fecham com maior alta de todos os tempos

Os sinais crescentes de um degelo entre os EUA e a China fizeram com que os mercados de ações voltassem a ficar próximas de maior alta de todos os tempos.

Às 6h45, os futuros do Dow subiram 94 pontos ou 0,3%, enquanto os futuros S&P 500 e os futuros do Nasdaq 100 também subiram 0,3%, sendo que S&P estava a menos de meio por cento longe do seu recorde.

As ações de risco encontravam seu reflexo no dólar e nos rendimentos dos títulos do Tesouro. O rendimento das notas de referência em 10 anos subia para 1,80%, o maior em mais de um mês e batia confortáveis ??sete pontos-base acima do valor de referência em dois anos. Enquanto isso, o dólar caía contra o euro, a libra esterlina e o iene.

3. Libra esterlina: o maior nível desde julho

A libra subia alcançando uma máxima de quase dois meses, depois que uma reportagem de jornal deu um novo impulso às esperanças de que um Brexit desordenado e "sem acordo" seja evitado em 31 de outubro.

O London Times informou que o Partido Sindicalista Democrático da Irlanda do Norte havia efetivamente abandonado sua oposição a um plano que deixaria grande parte de sua economia sujeita à regulamentação da UE e não do Reino Unido após o Brexit, algo que dá ao primeiro-ministro Boris Johnson mais espaço para elaborar um plano de compromisso com os negociadores da UE. No entanto, o líder do DUP na Câmara dos Comuns negou a reportagem.

A libra, que foi negociada quase exclusivamente sob o risco Brexit nas últimas semanas, subia acima de US$ 1,24 pela primeira vez desde o final de julho e subia 1% em relação ao dólar, de US$ 1,2453 às 6h50 da manhã.

4. Sentimento do consumidor da Universidade de Michigan será divulgado hoje

A pesquisa de opinião dos consumidores da Universidade de Michigan, que será divulgada às 11h00, lidera um dia relativamente leve para os dados econômicos dos EUA. A pesquisa será publicada um dia depois que o principal índice de preços ao consumidor atingiu seu nível mais alto em 2019 - um aumento de 2,4% em relação ao ano anterior - em um desenvolvimento que fornece munição para aqueles que argumentam contra ações agressivas do Federal Reserve na próxima semana.

A ferramenta de monitoramento de taxas do Fed do Investing.com sugere que os mercados não veem mais um corte nas taxas na próxima semana como uma certeza. A probabilidade implícita de ação caiu de 92% para 87%.

O presidente da Federal Reseve, Jerome Powell, argumentou que a incerteza sobre a política comercial está entre os maiores obstáculos da economia dos EUA atualmente, e quaisquer medidas para elevar essa incerteza, por essa lógica, enfraqueceriam o argumento de flexibilização.

5. WeWork recebe autorização para IPO de volta à estrada, diz WSJ

A empresa-mãe da WeWork deve começar seu marketing de IPO na próxima semana, depois de concordar com concessões a investidores externos sobre questões de governança, informou o Wall Street Journal.

A empresa, como é conhecida, pretende listar na Nasdaq, acrescentou o WSJ. Não houve mais nenhuma atualização em relação à avaliação prospectiva, cujos relatórios foram reduzidos de US$ 47 bilhões para menos de US$ 20 bilhões nas últimas semanas.