PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Preços do petróleo sobem de novo enquanto chance de retaliação dos EUA contra Irã aumenta

16/09/2019 12h51

Os preços mundiais do petróleo dispararam na segunda-feira antes de retomar seu rali enquanto a Arábia Saudita atualizava o mundo sobre os danos sofridos pelas principais instalações como resultado dos ataques com mísseis no fim de semana.

Às 12h48, o petróleo de referência dos EUA, o West Texas Intermediate subia 11,15% a US$ 60,91 por barril, tendo atingido anteriormente uma máxima de quatro meses em US$ 63,47 por barril. A referência internacional Brent ficou em $ 67,43 por barril, um aumento de 12,04% em relação aos imediatamente anteriores aos ataques.

Os ataques, que retiraram um total de 5,7 milhões de barris por dia fora de ação, tiveram um duplo impacto nos preços. Além das preocupações com déficits futuros no mercado físico, os investidores tiveram que aumentar os preços de risco geopolítico mais alto nos preços para se protegerem contra o risco de nova escalada.

A escalada agora parece praticamente certa depois que as autoridades sauditas corroboraram as alegações dos EUA de que as armas usadas nos ataques eram iranianas e não - como relatado anteriormente - lançadas por rebeldes houthis apoiados pelo governo iraniano no Iêmen.

O presidente Donald Trump havia indicado no fim de semana que as forças americanas estavam preparadas para atacar o Irã diretamente em retaliação, enquanto se aguarda a confirmação de sua inteligência pela Arábia Saudita.

Além do risco de escalada, a perturbação real no mercado físico pode ser pior e mais longa do que se pensava.

Os relatórios de Dow Jones e Bloomberg citaram pessoas familiarizadas com o assunto, dizendo que funcionários da Saudi Aramco não estavam mais confiantes em restaurar a capacidade danificada rapidamente, tendo inicialmente dito que substituiriam um terço da produção perdida na segunda-feira.

Isso é importante porque os estoques mundiais de petróleo, embora altos, não oferecem um buffer suficiente para compensar a perda de tanta capacidade saudita por um longo período de tempo.

"O mundo não está nem perto de substituir mais de 5 milhões de bpd por dia das exportações da Arábia Saudita", disse Bjørnar Tonhaugen, chefe de pesquisa de mercado de petróleo da Rystad Energy, em nota aos clientes. "Quanto mais tempo a instalação de processamento permanecer interrompida, maior será o impacto potencial nos fluxos reais de petróleo".

Tonhaugen observou que atualmente a Arábia Saudita tem o equivalente a cerca de 26 dias de suas exportações em armazenamento em todo o mundo, grande parte fora do Golfo Pérsico e, portanto, a salvo de qualquer intervenção provável do Irã ou seus representantes no Iêmen.