PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira

17/09/2019 08h29

A Arábia Saudita atualiza o mundo sobre as perspectivas de restauração do suprimento perdido de petróleo após ataques às refinarias da Saudi Aramco no sábado, enquanto o Federal Reserve inicia uma reunião de política monetária de dois dias que ainda deve determinar o que seria o segundo corte de - apenas - 25 pontos base na faixa alvo para os fundos do Fed este ano. E há notícias mistas na frente de IPOs. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta terça-feira, 17 de setembro.

1. O mundo aguarda pela Arábia Saudita

A Arábia Saudita deve atualizar o mundo sobre quanto tempo levará para restaurar a produção e as exportações de petróleo aos níveis normais após os ataques às principais infraestruturas de energia do país no fim de semana.

A companhia nacional de petróleo Saudi Aramco deve realizar uma conferência de imprensa às 14h15, de acordo com relatos de agências internacionais.

Os preços do petróleo se estabilizaram durante a noite, à medida que o mundo digere a ambiguidade na declaração de segunda-feira pelas autoridades sauditas que pararam de concordar explicitamente com os EUA em culpar o Irã diretamente pelo ataque. A falta de uma linha comum torna menos provável uma resposta armada imediata, dizem os analistas.

Às 8h10 (horário de Brasília), o contrato de referência dos contratos futuros de petróleo bruto WTI estava em US$ 61,55 por barril, queda de 1,79% em relação ao final da segunda-feira, enquanto o índice internacional Brent caía 1,68%, a US$ 67,86 por barril.

2. Reunião do Fed começa em meio a expectativas reduzidas de corte nas taxas

A reunião de política monetária de dois dias do Fed se inicia tendo como pano de fundo as expectativas de um corte na taxa de juros.

Uma redução de 25 pontos-base no intervalo da meta para os fundos do Fed parecia uma certeza até a semana passada, quando as nuvens comerciais começaram a se dissipar e os dados econômicos mostraram que o consumidor americano ainda estava vivo e esperneando.

O aumento nos preços do petróleo turvou ainda mais as águas, na medida em que criará alguma pressão inflacionária de curto prazo (e apoiará a atividade econômica do Texas a Dakota do Norte através da indústria de petróleo e gás). De acordo com a ferramenta de monitoramento de taxas do Fed do Investing.com, menos de dois terços do mercado apostam em corte quando a reunião terminar na quarta-feira.

Os dados divulgados ainda nesta terça-feira sobre a produção industrial e de manufatura e os preços dos imóveis chegarão a tempo de ter alguma influência sobre o pensamento do Fed.

3. Ações devem abrir em baixa; Mercado de olho nos ganhos da Fedex

Wall Street ainda está em risco devido ao aumento dos preços do petróleo e às preocupações geopolíticas associadas. No entanto, os principais índices de ações estão indicadas para abrir modestamente em baixa.

Às 08h22, o futuros do Dow caía 52,5 pontos ou 0,2%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 e o contrato futuros do Nasdaq 100 caíam, respectivamente, 0,14% e 0,18%.

Após o sino na terça-feira, haverá ganhos da Adobe (NASDAQ:ADBE), a recém-listada fornecedora de alimentos para animais de estimação Chewy e, principalmente, da Fedex, que está mais exposta diretamente do que a maioria aos desenvolvimentos mais recentes nos preços do petróleo.

4. IPO da WeWork adiado

A empresa controladora da WeWork teria arquivado sua oferta pública inicial sob pressão do seu maior acionista, o Softbank.

O Softbank corre o risco de cristalizar uma perda substancial se e quando a The We Company chegar ao mercado, tendo concordado em investir mais de US$ 10 bilhões na empresa até agora, a maior parte em uma avaliação muito mais alta do que agora parece viável nos mercados públicos. A Bloomberg informou que a avaliação prevista pode chegar a US$ 15 bilhões quando o negócio finalmente acontecer - o que ainda pode acontecer no próximo mês.

A Anheuser Busch Inbev (BR:ABI) divulgou mais notícias otimistas sobre a abertura de capital, que vão relançar com o IPO de seus negócios asiáticos - uma ação que ajudará a reduzir uma das maiores cargas de dívida corporativa do mundo. O The Wall Street Journal informou que a empresa agora busca angariar US$ 4,84 bilhões por meio de um acordo que valorizaria os negócios asiáticos em até US$ 50,7 bilhões.

5. Apple (NASDAQ:AAPL) lança recurso contra a taxa da UE

As tentativas da Apple (NASDAQ:AAPL) de derrubar a maior taxa da história da Europa chegaram ao Supremo Tribunal da UE na terça-feira.

Uma decisão final sobre a apelação da Apple (NASDAQ:AAPL) no Tribunal de Justiça Europeu não é esperada antes de alguns meses, mas valerá a pena esperar, na medida em que definirá o tom para as relações entre a UE e as gigantes da tecnologia dos EUA nos próximos cinco anos. Margrethe Vestager, a política dinamarquesa que expandiu muito o escopo do poderoso órgão antitruste da UE com suas incursões na política tributária nacional, foi renomeada como comissária antitruste para um novo mandato de cinco anos no início deste mês.