PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Petróleo cai novamente enquanto príncipe saudita rejeita caminho militar

30/09/2019 12h36

Os preços do petróleo caíam novamente na segunda-feira, com o mercado ignorando a retórica do Oriente Médio na perspectiva de uma guerra entre a Arábia Saudita e o Irã.

Em entrevista à CBS no domingo, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, reafirmou sua oposição a uma resposta militar aos ataques às instalações de petróleo da Arábia Saudita no início deste mês.

"A solução política e pacífica é muito melhor que a militar", disse ele à CBS.

Agora, de uma maneira mais incisiva, o príncipe, que é o governante de fato da Arábia Saudita, alertou que "se o mundo não tomar uma ação forte e firme para deter o Irã, veremos uma nova escalada que ameaçará os interesses mundiais", acrescentando que: "O suprimento de petróleo será interrompido e os preços do petróleo subirão para números inimaginavelmente altos que jamais vimos em nossa vida".

No entanto, dada a óbvia relutância do presidente Donald Trump em entrar em conflito com apenas um ano para as próximas eleições nos EUA, os mercados agora praticamente descartaram o risco de uma guerra de fato em resposta aos ataques. Enquanto isso, a Arábia Saudita reiterou que agora "atingiu 11,3 milhões de barris por dia (bpd) de capacidade e atingirá 12 milhões de bpd até o final de novembro".

Em um comunicado emitido para expressar seu descontentamento em ter seu rating de crédito rebaixado para A pela Fitch, a Arábia Saudita também disse que a empresa nacional de petróleo Aramco cumprirá todos os compromissos com clientes neste mês.

Às 11h30 (horário de Brasília), o petróleo bruto do WTI dos EUA havia caído 65 centavos ou 1,2%, para US$ 55,26 por barril, quase no nível em que estavam antes dos ataques. Os contratos futuros de petróleo Brent caíam 62 centavos ou 1,0%, para US$ 60,41 por barril.

Com os riscos geopolíticos aparentemente diminuindo, o mundo fica focado em um equilíbrio entre oferta e demanda que parecia perigosamente descontrolado, à medida que a economia mundial desacelerava sob a influência da disputa comercial EUA-China.

Dados fracos de inflação da Alemanha e a segunda menor leitura do PMI de Chicago em quatro anos mantiveram o tom macro moderado, assim como os dados da CFTC de sexta-feira que mostraram fundos de hedge usando o esfriamento das tensões no Oriente Médio para sair de posições longas do petróleo.

Os fundos de hedge e outros gerentes de caixa venderam 16 milhões de barris de futuros e opções nos seis principais contratos de petróleo da semana até 24 de setembro, depois de comprar um total de 144 milhões nas duas semanas anteriores, segundo o colunista da Reuters, John Kemp.