PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Cogna recua após lucro cair 41,6% no 3º trimestre

13/11/2019 14h39

As ações do grupo de educação Cogna (SA:COGN3), anteriormente conhecido como Kroton, operam com perdas na tarde desta quarta-feira, depois de anunciar que teve lucro líquido ajustado de R$ 208,6 milhões no terceiro trimestre, uma queda de 41,6% sobre o resultado de um ano antes, mas afirmou que espera cumprir suas estimativas de desempenho para o ano ao prever um resultado dos três últimos meses de 2019 bastante forte.

Assim, por volta das 14h20, os ativos perdiam 0,53% a R$ 9,45.

A companhia afirmou que o desempenho do terceiro trimestre foi impactado por maiores despesas financeiras por causa de dívida contraída para aquisição da Somos, aumento de níveis de depreciação e amortização e menor resultado operacional "dadas às pressões de base verificadas no ensino superior e à diferente sazonalidade do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) no ensino básico".

Desconsiderando as receitas de recompras de livros do PNLD, a empresa afirmou que o lucro líquido do terceiro trimestre foi de R$ 135 milhões, um tombo de 62,2% na base anual.

O resultado operacional da empresa recuou 11,3% no terceiro trimestre na comparação anual, para R$ 610,6 milhões. O resultado financeiro veio negativo em R$ 246 milhões ante R$ 58,3 milhões em despesas um ano antes.

A Cogna terminou setembro com captação de 64 mil alunos de ensino presencial de graduação, estável sobre o terceiro trimestre de 2018. A evasão, porém, subiu 1 ponto percentual, para 13,9% e a base encolheu 7,4%, para 341,95 mil estudantes.

A Cogna divulgou ainda no balanço que teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) pro forma de R$ 623,1 milhões no terceiro trimestre, alta de 9,1% na base anual. A margem, porém, recuou 9,9 pontos percentuais, saindo de 45,7% no mesmo período de 2018 para 35,7% nos três meses encerrados em setembro.

Analistas, em média, esperavam lucro líquido de R$ 281,95 milhões para a Cogna e Ebitda de R$ 634 milhões, segundo dados da Refinitiv. Não ficou imediatamente claro se os números são comparáveis.