PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

12/12/2019 09h52

O presidente Trump deverá se reunir com seus especialistas em comércio antes de decidir se deve ou não implementar a nova rodada de tarifas de importação de produtos chineses, que entrará em vigor no domingo. O Reino Unido segue para as urnas com os conservadores do primeiro-ministro Boris Johnson na expectativa de ganhar a maioria do parlamento.

Christine Lagarde preside sua primeira reunião como presidente do Banco Central Europeu, mas não se espera que mude as taxas de juros. E a Agência Internacional de Energia alerta que os cortes extras de produção da OPEP+ não serão suficientes para equilibrar o mercado mundial por pelo menos seis meses.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 12 de dezembro.

1. Trump deve se reunir com consultores comerciais

O presidente Donald Trump deve se reunir com seus principais assessores econômicos e comerciais antes do prazo final de domingo para a próxima rodada de tarifas de importação dos EUA em produtos chineses, de acordo com várias notícias.

A Casa Branca não confirmou a reunião, mas informações sugerem que o representante comercial Robert Lighthizer, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin e os assessores da Casa Branca Larry Kudlow e Peter Navarro estarão presentes.

O governo já havia anunciado sua intenção de cobrar tarifas de 15% sobre as importações chinesas no valor estimado de US$ 160 bilhões anualmente. Sem nenhum sinal de um acordo de "fase 1" com a China sendo iminente, a reunião se resume a uma decisão de adiar ou não as medidas propostas. A CNBC informou que as autoridades circularam pontos de discussão minimizando o impacto das tarifas, que abrangerão muitos bens de consumo populares.

2. Nenhuma mudança foi vista na primeira reunião de Lagarde no BCE, mas a Turquia e o Brasil reduziram as taxas

Christine Lagarde presidirá sua primeira reunião de elaboração de políticas do conselho de governo do Banco Central Europeu, cujos resultados serão publicados às 9h45 (horário de Brasília), como de costume.

O foco, porém, estará na primeira conferência de imprensa de Lagarde às 10h30, entretanto ninguém espera nenhuma mudança na política logo após o pacote de despedida de Mario Draghi em setembro.

Espera-se que Lagarde anuncie o início de uma revisão completa de como o BCE conduz políticas, algo que provavelmente define como sua meta de inflação, as ferramentas políticas que utiliza para obtê-la e a maneira como comunica suas decisões. O último deles pode assumir uma importância particular, pois Lagarde luta para forjar um consenso em um banco dividido amargamente pela retomada da flexibilização quantitativa.

Em outros países, o Banco Nacional Suíço deixou sua taxa básica em -0,75%, enquanto a Turquia reduziu sua taxa em 200 pontos-base, mantendo intacta a tendência global de uma política monetária mais flexível. O Banco Central do Brasil também cortou sua taxa básica na quarta-feira e, surpreendentemente, deixou a porta aberta para baixar ainda mais.

3. Ações devem abrir em alta em Nova York

Os futuros dos EUA devem abrir modestamente em alta, com ganhos igualmente modestos após a coletiva de imprensa do presidente do Fed, Jerome Powell, na quarta-feira.

Às 8h20, os contratos futuros da Dow subiam 22 pontos ou 0,1%, enquanto os futuros do S&P 500 e Nasdaq 100 também subiam 0,1%. O rendimento do título do Tesouro dos EUA a 10 anos subia até 1,80%.

É provável que o mercado permaneça dependente das decisões de Washington e Pequim sobre a iminente decisão tarifária.

4. A eleição do Brexit chegou

Os britânicos vão às urnas para a eleição geral e devem recolocar o Partido Conservador no poder com uma maioria - de acordo com empresas de apostas - com cerca de 40 cadeiras. Isso é o mínimo da zona de conforto para o primeiro-ministro Boris Johnson.

As pesquisas mais recentes sugeriram que os conservadores mantinham uma vantagem de 10 pontos sobre o Partido Trabalhista de esquerda em nível nacional, mas o sistema eleitoral "primeiro passado após o posto" do Reino Unido significa que o resultado final dependerá de como algumas dezenas de distritos eleitorais periféricos votam.

Qualquer maioria, por menor que seja, permitirá a Johnson aprovar seu projeto de lei de retirada da UE imediatamente, formalizando a saída do Reino Unido do bloco. No entanto, quanto menor a sua maioria, mais fácil será para os Brexitistas de linha dura inviabilizarem as negociações subsequentes sobre o relacionamento comercial com a UE, que terão conseqüências de longo prazo para a economia do Reino Unido e seus mercados.

5. Agência Internacional de Energia alerta para excesso de petróleo no primeiro semestre de 2020

O mercado global de petróleo ficará com excesso de oferta no primeiro semestre do próximo ano, apesar dos cortes extras de produção anunciados na semana passada pelo grupo OPEC +, de acordo com o relatório mensal da Agência Internacional de Energia.

O gabinete estratégico de Paris declarou que os estoques globais de petróleo ainda aumentarão em 700.000 barris por dia, mesmo que todos os países que concordarem com os cortes cumpram totalmente seus compromissos (algo que não aconteceu este ano).

As cotações do petróleo americano ainda estavam mais altos, apoiados pela perspectiva amena do Federal Reserve para o próximo ano na quarta-feira.

Em outros lugares, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman finalmente alcançou seu desejo, pois os fundos domésticos elevaram a avaliação da Saudi Aramco (SE:2222) mais 10% em seu segundo dia de negociação, chegando finalmente aos US$ 2 trilhões que ele sempre achou que valeria a pena. Em desenvolvimentos não relacionados, Harold Hamm, o principal executivo do setor de xisto dos EUA, disse que deixará o cargo de CEO da Continental Resources.