PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

16/12/2019 09h37

Boeing pode interromper a produção do 737 MAX em meio a temores de mais atrasos em seus esforços para retornar o avião à ativa. Havia sinais da economia da China se estabilizando da noite para o dia, mas os dados da Europa eram menos encorajadores.

A DuPont (NYSE:DD) está reforçando seus negócios em nutrição com a compra da International Flavors and Fragrances em um acordo de US$ 26 bilhões. A China está aumentando a pressão sobre a Alemanha para não proibir a Huawei.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 16 de dezembro.

1. O conselho da Boeing pode decidir interromper a produção do 737 MAX

A Boeing pode cortar ou até interromper a produção do seu 737 MAX em resposta às dificuldades contínuas em obter o certificado de avião seguro para voar, de acordo com várias notícias. O conselho da empresa pode tomar uma decisão ainda na segunda-feira, já tendo sido convocado para discutir o assunto no fim de semana.

A reunião do conselho, relatada pela primeira vez pelo Wall Street Journal, ocorre apenas alguns dias depois que os órgãos reguladores dos EUA alertaram o Congresso de que a Boeing estava elevando expectativas irreais sobre quando a aeronave seria liberada para voar e que eles sentiam que a Boeing estava tentando pressioná-los a agir mais rapidamente do que julgavam prudente.

O aterramento do 737 MAX já custou à Boeing 'US$ 3,6 em tarifas únicas e mais US$ 6,1 bilhões em provisões para compensar os clientes.

2. Economia na China mostrando recuperação, melancolia na Europa

Dados econômicos da China durante a noite reforçaram as impressões de que a economia do país está começando a se recuperar. O crescimento da produção industrial acelerou para 6,2% em novembro, acima dos 5,0% esperados e afastando-se da mínima de 17 anos atingida em agosto.

O crescimento das vendas no varejo também aumentou de 7,2% em outubro para 8,0%, enquanto o crescimento do investimento em ativos fixos permaneceu inalterado em 5,2%.

Por outro lado, os dados do índice de gerente de compras flash fora da Europa estavam mais fracos do que o esperado, com medidores de atividade manufatureira na Alemanha, França e Reino Unido caindo. Os serviços foram um pouco mais fortes do que o esperado, mas o PMI composto de 50,6 para a zona do euro sugere que seu Produto Interno Bruto ainda está crescendo em seu ritmo mais lento em seis anos.

3. Ações orientadas para abrir em alta

As ações norte-americanas devem abrir em alta após a trégua da fase 1 de sexta-feira com a China removendo outro risco de baixa nas ações para o final do ano, logo após o anúncio do Federal Reserve de injeções extras de liquidez para impedir o mau funcionamento do mercado de recompra (repos) como aconteceu no final de 2018.

Às 8h30 (horário de Brasília), os contratos futuros da Dow subiam 52 pontos, ou 0,2%, enquanto os contratos futuros do S&P 500 subiam 0,3% e os da Nasdaq 100 subiam 0,4%. Os contratos futuros da Dow estavam nitidamente defasados ??em parte devido ao forte peso da Boeing (NYSE: BA) no índice.

Durante a noite, as ações asiáticas permaneceram estáveis, mas os mercados da Europa começaram bem, com o índice do Reino Unido FTSE 100 subindo até 2% antes de reduzir os ganhos.

Sem grandes ganhos, o mercado estará livre para se concentrar nos dados econômicos, com o índice de manufatura do New York Empire State sendo apresentada às 10h30 da manhã e o IHS Markit PMI às 11h45 da manhã. O índice do mercado imobiliário NAHB será lançado às 12 horas.

4. A divisão de nutrição da DuPont (NYSE:DD) compra a IFF por US $ 26 bilhões

A DuPont (NYSE:DD) declarou que combinará seus negócios em ciência da nutrição - que representam pouco mais de um quarto de sua receita - com a International Flavors&Fragrances, em um acordo que avalia a divisão em US$ 26 bilhões.

A transação é o último ato da saga de negociações iniciada com a fusão da Dow Chemical e da DuPont (NYSE:DD), com o objetivo de transformar os dois conglomerados em uma cadeia de setores mais especializados e lucrativos. A nova IFF será um grande fornecedor de proteínas de soja, probióticos e outros ingredientes, incluindo aqueles com aplicações em redes de fast food onde oferecem alternativas à carne, com produtos plant based.

Os acionistas da DuPont (NYSE:DD) receberão ações iguais a 55,4% da empresa combinada, enquanto os acionistas da IFF receberão os outros 44,6%. A DuPont também receberá um pagamento em dinheiro de US$ 7,3 bilhões.

O Kerry Group, com sede na Irlanda, que competiu com a IFF para a unidade DuPont (NYSE:DD), caiu 3,5% em Londres no início das negociações na segunda-feira.

5. China alerta Alemanha sobre possível proibição da Huawei

Tendo garantido seu flanco contra os EUA, a China adotou uma linha mais assertiva contra a Europa em questões comerciais.

As notícias citaram que o embaixador chinês em Berlim declarou que haveria "consequências" se a Alemanha adotasse a exclusão da Huawei das redes 5G do país. Esse risco parece aumentar depois que os legisladores elaboraram um projeto de lei na semana passada, que visa fazer exatamente isso. Até agora, a chanceler Angela Merkel evitou arriscar um confronto com o maior parceiro comercial da Alemanha sobre o assunto, apesar das advertências de suas principais autoridades de segurança.

A decisão da Telefonica (MC:TEF), com sede na Espanha, de escolher a Huawei e a Nokia para construir sua rede 5G na Alemanha parece ter galvanizado a resistência à gigante chinesa.

No fim de semana, a televisão chinesa cancelou a transmissão de um jogo de futebol da Premier League entre o Arsenal e o Manchester City depois que a estrela turco-alemã Mesut Ozil criticou as violações dos direitos humanos na província muçulmana de Xinjiang. Para os torcedores do Arsenal na China, a decisão foi uma bênção disfarçada, já que o time de futebol inglês foi derrotado por 0-3 pelo Manchester City.