ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Após múltiplos procedimentos malsucedidos em outras instituições médicas, homem do Colorado é tratado com sucesso de fibrilação atrial no Texas Cardiac Arrhythmia Institute do St. David's Medical Center

Texas Cardiac Arrhythmia Institute (TCAI) at St. David's Medical Center

14/02/2018 14h08

AUSTIN, Texas, 14 de fevereiro de 2018 /PRNewswire/ -- Há cinco anos, Ryan Wiseman estava passando pelos melhores dias de sua vida.

"Me sentia no topo do mundo", Wiseman disse. "Estava me mantendo em forma. Estava cuidando de mim mesmo mentalmente e fisicamente. Meu relacionamento era sólido".

Então, durante um exame médico de rotina, enquanto servia nas Forças Armadas na Califórnia, os médicos descobriram que ele tinha fibrilação atrial ou A Fib (Atrial Fibrillation).

"A fibrilação atrial é uma arritmia das câmaras superiores do coração, durante as quais as câmaras superiores perdem a função mecânica, de forma que não contraem", disse o diretor médico executivo do Texas Cardiac Arrhythmia Institute (TCAI) do St. David's Medical Center , Andrea Natale, M.D., F.H.R.S., F.A.C.C., F.E.S.C.

"De repente, tudo mudou e não sou mais capaz de fazer exercícios. Posso não viver tanto tempo quanto esperava", disse Wiseman. "Eram todos choques emocionais para minha mulher e eu aprendermos".

Em apenas cinco anos, Wiseman passou por 10 cardioversões, quatro ablações e um cirurgia malsucedida para tratar da fibrilação atrial. Mas nenhum dos procedimentos foi bem-sucedido.

"Após a terceira ablação, meu cardiologista em Denver (Colorado) começou a buscar alternativas que poderiam me fazer viajar pelo país. Os médicos me disseram: Fizemos o melhor que podíamos. Não queremos correr mais riscos do que os que nos sentimos confortáveis em correr. Vamos mandar você para o melhor médico que temos no país", disse Wiseman. "Assim, eles me mandaram para o Dr. Natale".

"A idade típica de uma pessoa com fibrilação atrial se situa entre os últimos anos da faixa dos 50 e os primeiros da faixa dos 60, de forma que Ryan é claramente uma exceção. Mas essa é uma doença genérica", disse o Dr. Natale. "Infelizmente, como a câmara superior não está contraindo, a fibrilação atrial pode aumentar o risco de acidente vascular cerebral (AVC) e de insuficiência cardíaca".

A fibrilação atrial é a arritmia cardíaca mais comum, afetando milhões de americanos. A fibrilação atrial pode fazer com que o sangue se aglutine e forme coágulos no apêndice atrial esquerdo (LAA -- left atrial appendage). Se um coágulo de sangue se rompe, ele pode ir para o cérebro, causando o AVC.

Aproximadamente 20% de todos os AVCs ocorrem em pacientes com fibrilação atrial e os AVCs relacionados à fibrilação atrial são, frequentemente, mais fatais e incapacitantes. O tratamento mais comum para reduzir o risco de AVC em pacientes com fibrilação atrial é usar a warfarina, medicamento que afina o sangue. Apesar de sua eficácia comprovada, a medicação com warfarina por longo tempo não é bem tolerada por alguns pacientes e traz um risco significativo de complicações por hemorragia.

Assim, os médicos decidiram fechar mecanicamente o LAA de Wiseman, usando o Dispositivo de Fechamento do Apêndice Atrial Esquerdo (LAAC --  Left Atrial Appendage Closure) WATCHMAN .

O implante do dispositivo WATCHMAN é permanente, projetado para fechar o LAA a fim de impedir que os coágulos sanguíneos danosos do LAA entrem na corrente sanguínea. Ao fechar o LAA, o risco de AVC pode ser reduzido e, com o tempo, os pacientes podem parar de tomar a warfarina.

"Imagine um guarda-chuva que se abre e o fecha", disse o Dr. Natale.

"Eliminar meu risco de AVC e não ter mais de tomar afinadores de sangue, foi algo grande para mim", disse Wiseman. "Imagine ser capaz de voltar a correr, sem me preocupar com quedas ou com alguém esbarrando em meu peito. Eu brinco com os amigos sobre isso: 'Ei, não bata no meio peito, porque estou tomando afinadores de sangue e posso morrer'. De certa forma, é até engraçado. Mas, ao mesmo tempo, é um risco potencialmente letal real. Se cair em uma escada, posso não conseguir me levantar".

"Isso é verdade para qualquer paciente, não apenas para Ryan. Mas, para ele, é mais importante, porque ele é um pai ainda jovem, de forma que ele tem de cuidar das crianças. E, ao mesmo tempo, ele tem de se certificar de que pode prover financeiramente para sua família", disse o Dr. Natale. "Assim, isso é, na verdade, muito importante".

Agora, aos 32 anos, Wiseman se recuperou.

"Eu me sinto muito bem, o que é uma situação muito boa", disse Wiseman. "Quando você tem fibrilação atrial, seu coração não está bombeando de forma tão eficiente e, em geral, você se sente mal. Mas, em geral, eu me sinto bem, o que é fantástico".

O WATCHMAN foi aprovado pela FDA (Food and Drug Administration) dos EUA em março de 2015. Para examinar sua eficácia, o TCAI se envolveu nos estudos clínicos, nos Estados Unidos, por quase uma década. E foi a primeira instituição no Texas a implantar o dispositivo WATCHMAN em um paciente com fibrilação atrial não valvar em 2015.

Contato com a mídia:

Erin Ochoa

Elizabeth Christian Public Relations

512-472-9599

FONTE Texas Cardiac Arrhythmia Institute (TCAI) at St. David's Medical Center

AUSTIN, Texas, 14 de fevereiro de 2018 /PRNewswire/ -- Há cinco anos, Ryan Wiseman estava passando pelos melhor","image":"","date":"14/02/2018 16h11","kicker":"PR Newswire"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia