IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Prêmio Nobel de Economia é dividido por três economistas dos Estados Unidos

Do UOL, em São Paulo

14/10/2013 08h03

Os economistas Eugene F. Fama e Lars Peter Hansen, da Universidade de Chicago e o economista Robert Shiller, da universidade de Yale, ambas nos Estados Unidos ganharam o prêmio Nobel de Economia em 2013. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (14).

As pesquisas sobre como prever o preço de uma ação ou um ativo no futuro tiveram início na década de 1960. Os economistas comprovaram que é mais fácil prever o valor de um ativo a longo prazo do que no curto prazo.

Embora seja impossível prever os preços das ações e das obrigações para os próximos dias e semanas, graças aos trabalhos de Fama, Hansen e Shiller "é possível prever a evolução geral destes preços em longos períodos, como os próximos três ou cinco anos", destacou a Academia em seu comunicado.

Além disso, o Nobel premiou as pesquisas sobre economia comportamental, que mostram quais são os motivos por trás de uma decisão de investimento.

Os vencedores irão dividir um prêmio de 8 milhões de coroas suecas (cerca de US$ 1,25 milhão)

Bolha imobiliária no Brasil

Um dos ganhadores do prêmio Nobel disse há um mês que o Brasil pode estar vivendo uma bolha imobiliária.

O professor de Yale, Robert Shiller, afirmou que o Brasil pode estar vivendo um bolha imobiliária semelhante a vivida pelos Estados Unidos, e que deu origem a crise econômica de 2008.

"Suspeito que haja uma bolha imobiliária no Brasil. Os imóveis mais que dobraram de preço no Rio de Janeiro e em São Paulo nos últimos cinco anos [segundo números da pesquisa FipeZAP]. O que aconteceu em cinco anos de tão dramático para os preços subirem assim?", declarou.

Nobel

No ano passado, o prêmio foi entregue para os matemáticos norte-americanos Alvin E. Roth, 60, e Lloyd S. Shapley, 89, por pesquisas que mostram como unir diferentes agentes econômicos, como estudantes e escolas ou doadores de órgãos e pacientes.

O Prêmio Nobel de Economia, oficialmente chamado de Prêmio Sveriges Riksbank em Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel, foi criado em 1968.

Ele não é parte original do conjunto de prêmios idealizado pela vontade do magnata da dinamite Nobel.

A entrega dos Nobel acontece, de acordo com a tradição, em duas cerimônias paralelas, em Oslo para o da Paz e em Estocolmo para os restantes, no dia 10 de dezembro, coincidindo com o aniversário da morte de Alfred Nobel.

(Com agências)

Veja quem já ganhou o Nobel de Economia

AnoHomenageado(a)Trabalho
2012Alvin E. Roth e Lloyd S. Shapley (EUA)Pesquisas que mostram como unir diferentes agentes econômicos, como estudantes e escolas ou doadores de órgãos e pacientes
2011Thomas J. Sargent e Christopher A. Sims (EUA)Pesquisa empírica sobre as causas e os efeitos na macroeconomia
2010Peter A. Diamond (EUA), Dale T. Mortensen (EUA) e Christopher A. Pissarides (Chipre)Teoria que explica por que há tanta gente sem emprego ao mesmo tempo em que as empresas não param de abrir postos de trabalho
2009Elinor Ostrom (EUA)/Oliver E. Williamson (EUA)Estudos sobre administração de propiedade comum/Análise de resolução de conflito
2008Paul Krugman (EUA)Trabalhos sobre comércio internacional que levaram à projeção de uma "nova geografia econômica" e uma "nova teoria do comércio"
2007Leonid Hurwicz, Eric S. Maskin e Roger B. Myerson (EUA)Identificação de mecanismos matemáticos aplicáveis no funcionamento e na regulação dos mercados
2006Edmund S. Phelps (EUA)Aprofundamento da teoria que explica a relação entre os efeitos de curto prazo e de longo prazo para a política macroeconômica
2005Robert J. Aumann (Israel) e Thomas C. Schelling (EUA)Análise da teoria dos jogos, aprofundando conceitos de cooperação e resolução de conflitos
2004Finn E. Kydland (Noruega) e Edward C. Prescott (EUA)Estudaram a consistência temporal da política econômica e as forças motoras dos ciclos de negócios
2003Robert F. Engle III (EUA)/ Clive W.J. Granger (Reino Unido)Método de análise para séries temporais econômicas; Engle por aplicar volatilidade variável, e Granger por aplicar cointegração

 

Mais Economia