Bolsas

Câmbio

Com corte, Moody's deixa Brasil abaixo de Paraguai, Namíbia e Cazaquistão

Do UOL, em São Paulo

A agência de classificação de risco Moody's cortou a nota de crédito do país em dois degraus, de "Baa3" para "Ba2", e tirou o último selo de bom pagador.

Com isso, o Brasil agora tem nota de crédito pela Moody's igual à da Angola e pior que a de países como Paraguai e Namíbia (África).

Veja alguns exemplos de países na frente do Brasil (há muitos outros):

  • China (Aa3)
  • Cazaquistão (Baa2)
  • África do Sul (Baa2)
  • Namíbia (Baa3)
  • Índia (Baa3)
  • Rússia (Ba1))
  • Paraguai (Ba1)
  • Guatemala (Ba1) 
  • Angola - Ba2
  • Brasil - Ba2

Pior nota entre os Brics

Dentre os países emergentes da sigla Brics, o Brasil agora é o que tem a pior nota, como mostra a lista acima. Quem tem a melhor avaliação pela Moody's é a China (Aa3), seguida por África do Sul (Baa2), Índia (Baa3) e Rússia (Ba1). 

"Não merecemos estar abaixo da Guatemala nem no mesmo patamar de Angola, mas merecemos esse rebaixamento", afirma o economista Alexandre Cabral, na NeoValue Investimentos.

Porém, ele diz que o rebaixamento foi merecido, pois reflete a situação do país. "Não adianta ficar passando a mão na cabeça do filho que não faz o dever. Se ele vai mal na escola, precisa ficar em casa estudando sem se divertir até aprender a lição."

Avaliação indica risco de calote 

Um governo consegue dinheiro vendendo títulos no mercado. Os investidores compram papéis com a promessa de receberem o dinheiro de volta no futuro com juros. Quando um governo tem avaliação ruim, considera-se que há risco de dar um calote e não pagar esses investidores. 

Se houver desconfiança sobre essa devolução, fica difícil conseguir vender esses títulos, e o país tem de pagar mais juros aos investidores para compensar o risco maior. O país com mais confiança são os EUA.

O rating, ou classificação de risco, indica aos investidores se um país, empresa ou negócio é considerado um bom pagador ou não.

O chamado grau de investimento, por exemplo, indica que uma economia tem baixo risco de dar calote, e que as aplicações financeiras feitas por investidores estrangeiros nesse país terão risco próximo a zero.

 

Agências falharam na crise de 2008/2009

A classificação das agências de risco é um instrumento relevante para o mercado, uma vez que fornece aos potenciais credores uma opinião supostamente independente a respeito do risco de calote de países, empresas e negócios.

Porém, as agências foram muito criticadas por terem falhado na crise global de 2008/2009. Elas deram boas notas para operações de vendas de hipotecas imobiliárias nos EUA que afundaram bancos e investidores e geraram a grande crise financeira.

Entenda o que é o ajuste fiscal do governo em um minuto

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos