Nova fase da operação Zelotes mira BankBoston, e PF faz buscas no Itaú

Mariana Bomfim e Maria Carolina Abe

Do UOL, em São Paulo

A Polícia Federal realiza, na manhã desta quinta-feira (1º), a oitava fase da operação Zelotes, com buscas em prédios do banco Itaú Unibanco. As buscas estão relacionadas a processos do BankBoston, que pertencia ao Bank of America e foi comprado pelo Itaú em 2006.

De acordo com a PF, houve "conluio entre um conselheiro do Carf [Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, uma espécie de tribunal que julga disputas de grandes contribuintes com a Receita Federal] e uma instituição financeira", sem revelar qual instituição. O Itaú Unibanco e o Bank of America confirmaram que houve buscas nos prédios das duas empresas com foco em documentos sobre processos tributários do BankBoston.

Ainda segundo a polícia, o "esquema criminoso" teria acontecido entre 2006 e 2015, resultou na manipulação de decisões "em ao menos três ocasiões" e "envolvia escritórios de advocacia e empresas de consultoria". 

Em nota, o Itaú Unibanco afirma que, apesar de ter comprado o BankBoston em 2006, os processos tributários dele "continuaram de inteira responsabilidade do Bank of America". "O Bank of America é, assim, o único responsável pela condução desses processos. O Itaú não tem qualquer ingerência em tal condução, inclusive no que se refere a eventual contratação de escritórios ou consultores", diz. 

Uma fonte ligada ao Bank of America, que pediu para não se identificar, afirmou que os processos tributários do BankBoston ficaram sob responsabilidade tanto do antigo dono (Bank of America) quanto do atual (Itaú). Em nota, o Bank of America informou que está "cooperando integralmente com a documentação requerida pelas autoridades brasileiras". 

Cerca de 100 policiais federais cumpriram 34 mandados judiciais, sendo 21 de busca e apreensão e 13 de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para depor) nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. Os alvos são investigados por corrupção ativa, corrupção passiva, advocacia administrativa tributária e lavagem de dinheiro.

Operação investiga fraudes à Receita Federal

A operação Zelotes começou em março de 2015 para desarticular organizações criminosas que atuavam junto ao Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), causando prejuízo aos cofres públicos. O esquema manipulava resultados no órgão, que é ligado ao Ministério da Fazenda e é responsável por julgar recursos contra decisões da Receita Federal.

Posteriormente, a operação também passou a investigar suposto pagamento de propina para a edição de medidas provisórias. A operação já levou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, a virar réu em uma ação que tramita na Justiça Federal do Distrito Federal.

Leia íntegra da nota do Itaú Unibanco

"Esta manhã a Polícia Federal fez diligência nas dependências do Itaú Unibanco. O objeto da operação foi a busca de documentos relativos a processos tributários do BankBoston.

O Itaú Unibanco esclarece que, em 2006, o Itaú adquiriu, do Bank of America, as operações do BankBoston no Brasil. O contrato de aquisição não abrangeu a transferência, para o Itaú, dos processos tributários do BankBoston. Esses processos continuaram de inteira responsabilidade do Bank of America. O Bank of America é, assim, o único responsável pela condução desses processos. O Itaú não tem qualquer ingerência em tal condução, inclusive no que se refere a eventual contratação de escritórios ou consultores.

O Itaú Unibanco permanece totalmente à disposição das autoridades."

(Com Reuters)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos