ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Azul aumenta taxas para despacho de bagagem em até 33% em voo doméstico

Do UOL, em São Paulo

20/06/2018 16h36Atualizada em 20/06/2018 18h38

A Azul aumentou as taxas para despacho de bagagem nesta terça-feira (19). Nos voos nacionais da tarifa “Azul”, que inclui apenas uma bagagem de mão no preço da passagem, a taxa subiu 33%, de R$ 60 para R$ 80, para o cliente que for despachar uma mala de até 23 kg e deixar para fazer a solicitação apenas no balcão do aeroporto.

Se o despacho da mala for informado previamente pelo site, aplicativo ou telefone, a tarifa será de R$ 60, um aumento de 20% sobre os R$ 50 cobrados anteriormente.

Caso a bagagem supere o peso de 23 kg ou as dimensões permitidas, será cobrado um valor extra de R$ 150 por mala no aeroporto. Antes do reajuste, a taxa era de R$ 130.

Leia também:

Na tarifa "Mais Azul", que permite levar bagagem de mão e uma mala de até 23 kg, o cliente pagará R$ 100 para despachar uma segunda bagagem de 23 kg se a solicitação for feita pelo site ou pelo telefone, e R$ 120 no balcão do aeroporto.

Voos internacionais não tiveram reajuste

Os voos para o exterior não tiveram reajuste no preço das bagagens despachadas, segundo a azul.

Nos voos para a América do Sul, o cliente que tiver passagem comprada com base na tarifa “Azul” continua pagando US$ 20 na primeira mala de 23 kg despachada, se a reserva for por site, aplicativo ou telefone, e US$ 30 no balcão do aeroporto.

Na tarifa “Mais Azul” a primeira mala está incluída no preço da passagem. O despacho de uma segunda mala continua custando US$ 40 se contratado pela internet ou pelo telefone, ou US$ 60 no balcão.

Nos voos para os Estados Unidos, o cliente pode enviar de graça até duas malas de 23 quilos na classe econômica, ou três malas de 23 quilos na classe executiva. O despacho de todas elas já está incluído no preço da passagem. 

CORREÇÃO: Este texto informava originalmente que o aumento para despacho de bagagem em voo doméstico da Azul havia sido de até 50%, mas foi de até 33%. O texto foi corrigido.

Piloto e copiloto nunca comem a mesma refeição

UOL Notícias

Mais Economia