ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

PF vai investigar mensagem falsa sobre greve de caminhoneiros, diz governo

Do UOL em São Paulo

03/09/2018 18h02

A Polícia Federal vai investigar mensagens que circularam no WhatsApp nos últimos dias sobre uma suposta nova paralisação de caminhoneiros, informou o Ministério da Segurança Pública nesta segunda-feira (3).

"Desmentida pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), entre outras representantes da categoria, as mensagens se enquadram na categoria de fake news e seus autores e veiculadores podem responder por crime contra a economia popular e por publicidade enganosa", disse o ministério, em nota.L

Leia também:

O ministério afirmou ainda que, segundo a Abcam, os áudios e imagens veiculados nas redes são antigos, referentes à greve de maio, e voltaram a circular nesse fim de semana como se fossem atuais.

"Seus autores e veiculadores, portanto, estão sujeitos às consequências das legislações que classificam os crimes contra a economia popular e contra o consumidor", afirmou a pasta.

Filas em postos de gasolina

No fim de semana, o temor de uma nova greve e de desabastecimento provocou corrida a postos de gasolina em algumas regiões.

Foram registradas longas filas de carros em Belo Horizonte (MG) e Recife (PE) neste domingo (2).

Líderes descartam nova paralisação

Um dos principais líderes da greve de maio, Wallace Landim, conhecido como Chorão, descartou a possibilidade de nova paralisação da categoria, rebatendo rumores que circularam no fim de semana. Chorão disse que a próxima manifestação da categoria está convocada para o dia 12 de setembro, mas que os caminhoneiros devem fazer apenas um protesto em frente à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) em Brasília.

Já o presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens no Estado do Pará (Sindicam-PA), Eurico Tadeu Ribeiro dos Santos, afirmou que "oportunistas" estão usando o nome da categoria. Segundo ele, não há neste momento perspectiva de greve semelhante à ocorrida em maio. "O governo fez a parte dele, criou todas as condições, criou a tabela do frete", afirmou. "Tem gente usando a categoria para se promover."

(Com Estadão Conteúdo) 

Mais Economia