PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Alcolumbre adia votação da reforma da Previdência e surpreende governo

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Reprodução/GloboNews
Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) Imagem: Reprodução/GloboNews

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

23/09/2019 16h40Atualizada em 24/09/2019 14h17

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), adiou de amanhã (24) para quarta-feira (25), o início do primeiro turno de votação da reforma da Previdência. A decisão de Alcolumbre surpreendeu a Casa Civil e o Ministério da Economia, que não foram comunicados com antecedência e esperavam que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) nº 6 de 2019 fosse votada na tarde de amanhã.

Pelo Twitter, Alcolumbre anunciou que realizará às 15h de amanhã sessão do Congresso Nacional para votar o PLDO (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias). Ele também declarou que a sessão do Senado que iniciará o primeiro turno de votação da reforma da Previdência ocorrerá a partir das 16h de quarta.

Técnicos do governo se disseram surpreendidos com a decisão do presidente do Senado. Segundo dois técnicos ouvidos reservadamente pelo UOL o calendário original previa que a reforma da Previdência seria votada amanhã.

"Fomos pegos de calça curta. Não sabemos o que motivou esse adiamento. Estava tudo combinado para que a reforma fosse votada em plenário no dia 24 de setembro", disse um dos técnicos do governo.

A decisão de Alcolumbre, entretanto, não adiará a votação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado. A presidente da comissão, Simone Tebet (MDB-MS), afirmou ao UOL que manterá a votação do relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) para amanhã, às 10h.

"Votaremos o relatório da Previdência amanhã de manhã, na quarta de manhã faremos a sabatina do procurador Augusto Aras e à tarde votaremos a reforma da Previdência em plenário", disse.