PUBLICIDADE
IPCA
1,15 Dez.2019
Topo

Uber é multada por negar corrida a irmão cadeirante de Zezé e Luciano

26.out.2013 - Wellington Camargo, irmão de Zezé di Camargo & Luciano - AgNews
26.out.2013 - Wellington Camargo, irmão de Zezé di Camargo & Luciano Imagem: AgNews

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

10/12/2019 20h08Atualizada em 10/12/2019 20h24

A Uber foi multada pelo Procon de Goiás em mais de R$ 145 mil porque um motorista da empresa se negou a transportar o cantor gospel Wellington Camargo, que é cadeirante e irmão da dupla Zezé di Camargo e Luciano. O fato ocorreu no dia 23 de julho deste ano em Goiânia, e a decisão foi anunciada hoje.

Em nota, a Uber informou que outro motorista realizou a viagem de Camargo e vai recorrer da decisão.

O Procon entendeu ter havido má prestação de serviço quando Wellington saiu de um banco e chamou um motorista por aplicativo para casa, na companhia da filha. Quando o condutor viu que se tratava de uma pessoa em cadeira de rodas, se negou e prestar o serviço e foi embora, segundo o Procon. O órgão ficou sabendo do fato pela imprensa e instaurou o chamado processo de ofício, quando não há a necessidade da iniciativa ou participação de outras pessoas.

No decorrer da apuração, a Uber apresentou defesa.

"A Uber não negou que ocorreu o cancelamento [da corrida], mas não trouxe nenhum fato novo que pudesse afastar a infração. Em razão disso, pela má prestação de serviço e discriminação pela condição de cadeirante, foi aplicada a multa por violação ao Código de Defesa do Consumidor, ao Estatuto da Pessoa com Deficiência e à Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência", explicou ao UOL o superintendente do Procon, Wellington de Bessa.

Pouco depois da publicação da decisão da multa contra a Uber, o órgão de defesa recebeu várias ligações de pessoas relatando ter enfrentado problema semelhante com a Uber na capital goiana.

"Após darmos publicidade a essa decisão, nós já recebemos diversas ligações no telefone 151 informando outros casos de outros motoristas que também cancelaram a viagem porque o passageiro tinha alguma deficiência semelhante", disse Bessa

Segundo o superintendente, todos foram orientados a registrar formalmente a queixa. "Isso é uma situação muito grave. Por se tratar de uma plataforma que visa facilitar a mobilidade urbana, nós entendemos também que ela precisa propiciar a própria mobilidade. Restringir a mobilidade de pessoas com deficiência vai contra a própria ideia, o conceito de mobilidade urbana".

O cálculo do valor da penalidade - R$ 145.098,04 - teve como base o faturamento bruto da empresa no Brasil, a gravidade da infração, a extensão do dano e a possibilidade de reincidência. Isso porque, de acordo com o superintendente, a Uber já tinha multas aplicadas por outras situações semelhantes. O próprio cantor Wellington Camargo alegou já ter passado pelo problema antes.

O valor arrecadado com a multa será destinado ao Fundo Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor para financiar políticas públicas da área.

Outro lado

A Uber tem 10 dias para recorrer. Segundo nota enviada ao UOL, Camargo foi transportado por outro motorista após a recusa do primeiro.

"No caso específico do cantor Wellington Camargo, a empresa informa que após o cancelamento do primeiro motorista, a viagem foi automaticamente designada a outro parceiro, que realizou a viagem pretendida", diz o comunicado.

O Procon Goiás orienta a população a denunciar casos assim pelo telefone 151 ou (62) 3201-7124, via Procon Web, na internet, ou presencialmente. O endereço em Goiânia é rua 8, nº 242, no Centro, ou nas agências do Vapt Vupt.

Economia