PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Guedes diz que se todos ficarem em casa país 'entra em colapso'

Carla Araújo e Antonio Temóteo

Colaboração para o UOL e do UOL, em Brasília

16/03/2020 19h17

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou há pouco que é preciso encontrar um meio-termo entre pessoas ficarem confinadas por conta da pandemia do novo coronavírus ou sair para trabalhar. "Se ficar todo mundo em casa [a economia] entra em colapso. Se ficar todo mundo na rua também tem problemas, deve ter um meio-termo", destacou, em coletiva no ministério da Economia.

Guedes também disse que as indicações devem ser seguidas principalmente pelos considerados grupos de risco, como os idosos. "Talvez se aplique até a mim", afirmou.

O ministro citou ainda que os ingleses são "excelentes epidemiologistas" e que estão orientando que os idosos fiquem em casa enquanto os jovens sigam trabalhando. "Temos que tentar manter uma vida o mais próximo do normal", avaliou.

'Não vamos morrer de véspera'

Guedes reforçou que a economia brasileira estava em aceleração e que "aí veio o coronavírus", admitindo que isso deve atrapalhar a recuperação.

"Mas não vamos morrer de véspera, quem morre de véspera é peru e vamos lutar para botar o país de volta no trilho", disse. "Fomos golpeados ano passado e reagimos, sofremos um golpe maior agora e vamos reagir", completou.

Guedes afirmou ainda que nunca foi um otimista ou pessimista. "Sempre fui realista". Ao admitir que o Brasil deve crescer menos por conta do coronavírus, o ministro ressaltou que o país não pode ser "contaminado por uma psicologia negativa".

"A economia é um organismo vivo, muito semelhante à biologia. São átomos e células que raciocinam, que se adaptam e têm capacidade de reação", comparou.