PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Coronavírus: Kim Kataguiri sugere corte de 50% de salários de deputados

17.mar.2020 - Deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) durante deliberação de vetos na Câmara - Michel Jesus/ Câmara dos Deputados
17.mar.2020 - Deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) durante deliberação de vetos na Câmara Imagem: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/03/2020 20h24

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) afirmou, na tarde de hoje, ter proposto o corte de 50% dos salários de deputados para captar recursos para combater o coronavírus. Em entrevista ao programa 'Bastidores do Poder', da rádio Bandeirantes, ele comentou sobre uma série de propostas de própria autoria a respeito do assunto.

"Apresentei uma série de projetos para mandar o máximo de dinheiro possível para o Ministério da Saúde e cortar gastos supérfluos da máquina pública imediatamente. Uma das primeiras propostas foi cortar 50% dos salários de deputados, senadores, juízes, promotores, enfim, da elite do funcionalismo público para combate ao coronavírus. Além disso, cortes na Secretaria de Comunicação para que nenhuma publicidade estatal seja feita, a não ser aquela diretamente relacionada com a pandemia", explicou.

O deputado federal também sugeriu a redução do valor utilizado no cartão corporativo da presidência.

"Não faz sentido o presidente da República ter os mesmos gastos que teve nos anos anteriores, então sugiro limitar até 30% da média dos últimos dois anos. O presidente não precisa ficar viajando para fora do país, aliás nem deve no momento de pandemia", pontuou.
Kataguiri também propôs a suspensão momentânea de cobranças de contas de água, energia elétrica e esgoto, além de apoiar a utilização do fundo eleitoral.

"Sabemos que a população mais pobre, principalmente nesse momento de crise, vai ter muita dificuldade de passar por esse momento e seria até desumano ter cortes de água e de energia elétrica nesse período difícil. Tem uma medida que não é de minha autoria, mas eu tenho apoiado, uma iniciativa suprapartidária, que junta partidos governistas, de centro e até de oposição, que é o uso do fundo eleitoral para o Ministério da Saúde para o combate ao coronavírus. No geral, são medidas voltadas a criar dinheiro novo para permitir que o governo tenha mais margem para investir nesse momento", ressaltou.

Perguntado sobre a possibilidade de projetos que cortam gastos e diversos auxílios do funcionalismo público serem aprovados, o deputado acredita que há espaço nesse momento para discussão das propostas.

"Existe ambiente político para isso [...] É um debate que o Parlamento tem vergonha de enfrentar, não tem coragem de peitar o Judiciário e o Ministério Público, mas que no momento de crise existe um anseio popular muito grande, ainda mais porque os mais prejudicados serão pequenos empreendedores ou empregados que ganham de um a três salários mínimos, aquele que tenta gerar emprego e renda sem nenhum tipo de segurança ou carteira assinada, aquele cara que empreende. Esse é o maior prejudicado e está correto que ele se revolte contra esses privilégios do setor público que precisa dar a sua cota de sacrifício, afinal, o setor público é financiado pela iniciativa privada", finalizou.


Coronavírus liga alerta pelo mundo