PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Golpe usa falso "bug" no Pix para convencer usuários a transferir dinheiro

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

19/01/2021 14h25

São falsas mensagens compartilhadas nas redes sociais dizendo ser possível ganhar "o dobro de dinheiro", graças a um suposto "bug" em transações com o Pix, nova forma de transferir dinheiro instantaneamente, como alternativa grátis ao DOC e à TED. O alerta foi dado pelo banco digital Nubank.

Segundo o banco, as mensagens que começaram a ser compartilhadas em aplicativos há aproximadamente duas semanas fazem parte de um golpe. Nelas, os criminosos afirmam que, para o "bug" funcionar, é preciso enviar dinheiro para chaves específicas. Por causa do suposto "bug", quem transferisse o dinheiro receberia o dobro do valor de volta.

Dinheiro vai para a conta de golpistas

A chave Pix é como o endereço de uma conta no Pix, da mesma forma que um número do RG identifica uma pessoa. Para cadastrar a chave, pode ser usado, por exemplo, o CPF, o número do celular, um email ou uma combinação de letras e números aleatórios.

Os supostos "números que funcionam" são chaves de contas dos próprios golpistas, afirma o Nubank. Ou seja, ao enviar dinheiro para essas chaves, a vítima estará mandando dinheiro para a conta bancária dos golpistas. Como não há "bug" nenhum, ela não recebe nada de volta.

Os estelionatários também fizeram vídeos que mostrariam o suposto "bug" em ação. O Nubank explicou que os vídeos, na verdade, não provam nada. "Para mostrar a transferência 'em dobro' funcionando, por exemplo, basta que os próprios golpistas realizem duas transferências —mas mostrem apenas uma na hora de filmar", disse.

Engenharia social

O golpe usa o método da engenharia social, que é quando criminosos manipulam os sentimentos e as emoções humanas, no intuito de convencer alguém a adotar um comportamento ou tomar uma atitude que lhe convém. No caso, os golpistas usaram mensagens que são facilmente compartilháveis e vídeos que parecem dar veracidade ao fato.

Em contato com o UOL, o Nubank informou que não há nada de errado com o Pix nem com seu aplicativo.

"O time de inteligência e combate à fraude do Nubank realizou uma série de testes tendo com base orientações maliciosas publicadas em vídeos na internet. A equipe não constatou falhas em transações Pix feitas pelo app", disse.

Consultado, o Banco Central informou em nota que nenhum cliente foi lesado por eventual falha no sistema operacional de qualquer operadora do Pix. "Os processos administrados pelo BC não apresentaram falha desde o início das operações do Pix", afirmou.

Segundo o BC, cabe ao prestador de serviço de pagamento a análise do caso de fraude e o eventual ressarcimento, assim como acontece em casos de fraudes bancárias.