PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Sindicatos pedem medidas por isolamento e retomada de auxílio emergencial

Centrais Sindicais emitiram um comunicado pedindo prioridade no isolamento para evitar propagação da covid-19 e retomada futura da economia - Tempura/iStock
Centrais Sindicais emitiram um comunicado pedindo prioridade no isolamento para evitar propagação da covid-19 e retomada futura da economia Imagem: Tempura/iStock

Do UOL, em São Paulo

01/03/2021 16h11Atualizada em 01/03/2021 16h18

Em um comunicado emitido nesta segunda-feira (1º), as Centrais Sindicais - CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB - apoiaram as iniciativas dos governadores e prefeitos que têm garantido o isolamento social para evitar a propagação da covid-19 e evitar que os sistemas de saúde se esgotem. No documento, as centrais também reivindicam a extensão do auxílio emergencial no país.

"Continuamos afirmando que é necessário esclarecer a população para a urgência do isolamento - "Fique em Casa" -, sobre o uso correto de máscaras e dos protocolos de proteção. Exigimos que o Congresso Nacional aprove imediatamente a retomada do Auxílio Emergencial no valor de R$ 600,00 enquanto durar a pandemia e das medidas de proteção dos salários e dos empregos."

Na visão das Centrais Sindicais, os custos econômicos do isolamento e da vacinação serão compensados com a segurança das pessoas, evitando mortes e investimentos em uma retomada futura de atividades com segurança sanitária. O grupo sindical reforça a importância do plano de vacinação e do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

O documento assinado pelos presidentes sindicais também denunciam a "descoordenação das políticas públicas de vacinação" e de proteção sanitária e econômica adotadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Para as Centrais Sindicais, a atitude seria um ato intencional da gestão.

"Estratégia que conduz o país para as mais de 250 mil mortes, que não param de crescer, ao agravamento da crise sanitária, à insegurança social e a uma gravíssima crise econômica, inúmeras práticas que caracterizam responsabilidade e crimes no exercício do cargo."

Secretários de Saúde assinam carta sobre 'pior momento da crise sanitária'

Uma carta foi assinada pelos secretários estaduais de Saúde alegando que o Brasil atravessa o 'pior momento da crise sanitária' provocada pela covid-19.

O documento também faz um apelo para que as medidas de restrição sejam ampliadas com o intuito de evitar um colapso em todo o sistema de saúde nacional.

Assinado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne 27 gestores da área, o texto é endereçado à "população brasileira" e pede toque de recolher nacional das 20h às 6h, além de suspensão das aulas presenciais e lockdown em áreas que tenham ocupação de leitos de covid-19 acima de 85% com tendência de elevação dos casos fatais pela doença.