PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Vale a pena pausar ou adiar parcelas do financiamento imobiliário da Caixa?

Vinícius Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/06/2021 04h00

A Caixa Econômica Federal anunciou que voltará a oferecer a possibilidade de pausa ou redução temporária das prestações do financiamento imobiliário por até seis meses. Vale a pena aderir?

Apesar de os valores não pagos agora serem cobrados depois, com juros, especialistas consultados pelo UOL dizem que as medidas são boas opções para quem perdeu renda ou emprego durante a pandemia e está com dificuldades de honrar o financiamento com o banco.

A redução temporária será de 25% a 74,99% no valor das prestações, com os seguintes prazos:

  • Pagar 75% da parcela por seis meses
  • Pagar de 25% a 75% das parcelas por três meses

Os valores não pagos durante o período de pausa ou pagamento parcial serão incorporados ao saldo devedor do contrato e diluídos no prazo restante. Não haverá aumento no prazo total do financiamento.

Tanto a pausa quanto o adiamento parcial das parcelas poderão ser solicitados pelos clientes no aplicativo Habitação Caixa.

Vale a pena?

Johnny Mendes, professor de economia na FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), diz que quem tem condições de pagar as parcelas sem redução deve fazê-lo. Mas se o orçamento estiver apertado, a redução é válida.

"As famílias que não usufruírem desse benefício e tiverem dificuldade para pagar as parcelas correrão o risco de perder a casa", disse.

Alberto Ajzental, coordenador do curso de negócios imobiliários da FGV (Fundação Getulio Vargas), concorda. "O cliente pode estar se endividando no crédito especial ou no cartão de crédito [para pagar as parcelas], e o crédito imobiliário é o mais barato. A medida é fantástica, porque as pessoas quebraram e têm problemas de fluxo de caixa. Aliviar parcelas tem custo quase zero para o banco, e as pessoas conseguem fazer caixa, não pagando até a situação melhorar", diz.

Mendes também afirma que a possibilidade de uma melhora econômica pós-pandemia também deve ser levada em consideração. "A economia está voltando a aquecer e deve produzir novos empregos. Assim, a renda das pessoas que perderam seus empregos pode voltar", falou.

A pedido do UOL, Mendes fez as contas para saber como ficam os financiamentos para quem aderir à redução das parcelas.

Para a simulação, foi considerado um imóvel no valor de R$ 300 mil, financiado em 20 anos, sendo que dez deles já foram pagos, com taxa de juros efetiva (soma da taxa de juros nominal e demais encargos) de 9,71% ao ano pela tabela SAC, a mais comum nesse tipo de financiamento. Nela, as prestações são mais altas no início e menores no final.

Desconto de 25% na parcela por três meses

Valor total aumenta em R$ 14,6 mil

Nesse caso, o cliente já pagou R$ 357.485. Ao final dos três meses de pagamentos parciais, terá deixado de quitar R$ 1.809,69. O valor total do financiamento terá acréscimo de R$ 14,6 mil.

  • Valor pago até a parcela 120: R$ 357.485
  • Total do desconto nos três meses: R$ 1.809,69
  • Valor a mais nas parcelas seguintes: começa em R$ 260,12 e cai até chegar a R$ 17,65 na última parcela
  • Total do contrato antes: R$ 580.263,51
  • Total do contrato depois: R$ 594.842,33 (aumento de 2,5% no valor total)

Desconto de 50% na parcela por três meses

Valor total aumenta em R$ 15,6 mil

Nesse caso, o cliente já pagou R$ 357.485. Ao final dos três meses de pagamentos parciais, terá deixado de quitar R$ 3.619,38. O valor do contrato terá acréscimo de R$ 15,6 mil.

  • Valor pago até a parcela 120: R$ 357.485
  • Total do desconto nos três meses: R$ 3.619,38
  • Valor a mais nas parcelas seguintes: começa em R$ 292,78 e cai até chegar a R$ 33,37 na última parcela
  • Total do contrato antes: R$ 580.263,51
  • Total do contrato depois: R$ 595.887,43 (aumento de 2,7% no valor total)

Desconto de 75% da parcela por seis meses

Valor total aumenta em R$ 19,1 mil

Nesse caso, o cliente já pagou R$ 357.485. Ao final dos três meses de pagamentos parciais, terá deixado de quitar R$ 10.791,28. O valor do contrato terá acréscimo de R$ 19,1 mil.

  • Valor pago até a parcela 120: R$ 357.485
  • Total do desconto nos três meses: R$ 10.791,28
  • Valor a mais nas parcelas seguintes: começa em R$ 421,18 e cai até chegar a R$ 99,25 na última parcela
  • Total do contrato antes: R$ 580.263,51
  • Total do contrato depois: R$ 599.396,75 (aumento de 3,3% no valor total)

Pausando o pagamento por seis meses

Valor total aumenta em R$ 21,2 mil

Nesse caso, o cliente já pagou R$ 357.485. Ao final dos seis meses de pausa, terá deixado de quitar R$ 14.390,30. O valor do contrato terá acréscimo de R$ 21,2 mil.

  • Valor pago até a parcela 120: R$ 357.485
  • Total do desconto nos três meses: R$ 14.390,30
  • Valor a mais nas parcelas seguintes: começa em R$ 487,71 e cai até chegar a R$ 131,71 na última parcela
  • Total do contrato antes: R$ 580.263,51
  • Total do contrato depois: R$ 601.489,78 (aumento de 3,7% no valor total)
Errata: o texto foi atualizado
As porcentagens entre o desconto e o pagamento das parcelas de financiamento estavam invertidas. A matéria foi corrigida.