PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Falso analista da Receita que ostentava luxo, 'Don Juan' é preso no Ceará

David Alvez Bezerra, de 30 anos, é suspeito de estelionatos e de fingir ser analista da Receita Federal - Polícia Civil de Goiás
David Alvez Bezerra, de 30 anos, é suspeito de estelionatos e de fingir ser analista da Receita Federal Imagem: Polícia Civil de Goiás

Do UOL, em São Paulo

17/08/2021 22h04Atualizada em 18/08/2021 19h35

Foi preso em Caucaia (CE), David Alves Bezerra, de 30 anos, mais conhecido como "Don Juan", que responde por mais de 70 estelionatos em Santa Catarina, Roraima, Mato Grosso e Distrito Federal. Ele é suspeito de se passar por analista da Receita Federal para enganar vítimas, oferecendo produtos de alto valor para venda e não realizando as entregas após pagamento.

O mandado de prisão foi cumprido ontem pelo Gepatri (Grupo de Repressão a Crimes Patrimoniais) da Polícia Civil de Valparaíso de Goiás (GO), com o investigado já preso em Caucaia, no Ceará, com apoio do Sistema Penitenciário do Ceará. As investigações apontam que o homem utilizava apelidos como Berlim e Alemão, fingindo ser analista da Receita Federal.

Natural de Fortaleza, ele teria feito pelo menos oito vítimas no entorno do Distrito Federal e atuava em vários estados. "Para enganar as vítimas, ele se passava de servidor público, dizia ter acesso a bens apreendidos pela Receita Federal e fazendas estaduais e se utilizava desse ardil para oferecer aparelhos eletrônicos e bens importados de elevado valor econômico às vítimas", informa a Polícia Civil de GO.

foot 1 - Reprodução/ Polícia Civil de GO - Reprodução/ Polícia Civil de GO
"Don Juan" dizia que era servidor público e demostrava ter vida de luxo nas redes sociais
Imagem: Reprodução/ Polícia Civil de GO

No golpe, ele dizia ter acesso a lotes de produtos que iriam a leilão, mas que conseguiria vendê-los por preços abaixo dos praticados no mercado. Assim, ele convencia as vítimas a realizar transferências bancárias prometendo entregar celulares, notebooks, perfumes importados e computadores, mas "desaparecia" no dia da entrega.

"Durante as investigações, tivemos acesso a imagens que demonstram uma vida de luxo que ele levava, o qual exibia suas viagens, andanças em carros de luxo e manuseio de altos valores em dinheiro, menosprezando inclusive a atividade policial que o investigava", disse o delegado Leonilson Pereira.

David falava nas redes sociais que era servidor público e enviava imagens supostamente uniformizado para as vítimas. Segundo Pereira, David tinha uma vida nômade, se estabelecia em cidades e se relacionava com mulheres as persuadindo a captar vítimas. Por esse motivo, ele é conhecido como "Don Juan". A polícia estima que ele tenha feito mais de 90 vítimas.

PUBLICIDADE