PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Decolagem de avião da Gol em Congonhas assusta redes sociais; mas é normal?

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/08/2021 11h51Atualizada em 13/08/2021 20h13

Um vídeo de um avião decolando do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, ganhou repercussão nessa semana devido à maneira como o procedimento foi feito. Nele, um Boeing 737 da Gol faz uma corrida mais longa do que o habitual, utilizando quase toda a pista antes de sair do chão.

O voo em questão era o G3 1260 (Congonhas - Florianópolis), e aconteceu em 24 de julho de 2021. Nas redes sociais, diversos perfis divulgaram as imagens como se fosse uma operação perigosa, ou como se o avião estivesse correndo risco de sair da pista e causar uma tragédia.

Em outros perfis, o humor foi usado para relatar o que ocorreu. "Se eu paguei por toda a pista, eu vou usá-la inteira", escreveu um internauta. Veja como foi:

É perigoso?

De acordo com o piloto Marcelo Ceriotti, diretor do SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), esse tipo de decolagem não ocorre com tanta frequência, mas não oferece risco algum. A decisão do piloto por continuar um pouco mais na pista pode acontecer por diversos fatores.

O avião tem de ter atingido certa velocidade, chamada de V1, após percorrer determinado trecho da pista, para que o piloto prossiga com o procedimento de decolagem. Isso é calculado para cada voo e pode variar de acordo com o peso do avião, condições atmosféricas e as condições da pista naquele momento.

Caso o avião atinja essa velocidade, poderá decolar sem problemas, mesmo que um dos motores falhe. Ceriotti diz que as empresas monitoram constantemente os parâmetros dos aviões, que ficam gravados, e eles podem ser utilizados para verificar se houve algum problema naquele momento.

Em algumas situações, afirma o piloto, o comandante pode postergar a saída do avião do chão para tentar desviar de algum obstáculo, como pássaros, por exemplo. Outra condição que também pode fazer com que a decolagem demore mais é a presença de um fenômeno meteorológico conhecido como "windshear".

Ele consiste em uma corrente de vento vertical sobre a pista, que aumenta a resistência ao avanço do avião, exigindo maior comprimento de pista para a decolagem.

Em nota, a Gol informou que abriu um processo de apuração para checar o ocorrido. Leia:

"Referente ao voo G3 1260 (Congonhas - Florianópolis) no dia 24/7, a Gol Linhas Aéreas informa que tomou conhecimento do vídeo e iniciou um processo de apuração de acordo com as normas internacionais, respeitando rigorosos padrões de segurança, nosso valor número um. A companhia também confirma que o voo prosseguiu sem qualquer anormalidade até o destino."

Como comparação, veja outra decolagem realizada no mesmo sentido:

PUBLICIDADE