PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Em 2 anos, país fechou 500 mil vagas de trabalho doméstico; renda caiu 8%

Segundo a Pnad Contínua, do IBGE, a média nacional de renda mensal das trabalhadoras domésticas caiu de R$ 1.016 para R$ 930, uma redução de 8,46% - FG Trade/Getty Images
Segundo a Pnad Contínua, do IBGE, a média nacional de renda mensal das trabalhadoras domésticas caiu de R$ 1.016 para R$ 930, uma redução de 8,46% Imagem: FG Trade/Getty Images

Colaboração para o UOL

27/04/2022 16h02Atualizada em 27/04/2022 16h02

Os dados sobre ocupação em trabalhos domésticos no Brasil não seguiram o crescimento registrado em todo o país entre o 4º trimestre de 2019 e o 4º trimestre de 2021. Segundo pesquisa Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), esse grupo perdeu 500 mil vagas, saindo de 6,2 milhões de ocupados para 5,7 milhões.

De acordo com o estudo, divulgado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), nesse período o número de ocupados no Brasil passou de 95,5 milhões para 95,7 milhões.

A pesquisa mostra que, antes representadas por 5,7 milhões de trabalhadoras domésticas, agora, o número de mulheres desse grupo caiu para 5,2 milhões. Sendo 3,4 milhões consideradas negras e outras 1,8 milhão identificadas como não negras.

De acordo com a Pnad Contínua, houve redução do número de trabalhadoras com e sem carteira assinada e das que contribuíam para Previdência. Em 2019, 1,5 milhão de mulheres desse grupo (27%) trabalhavam com carteira assinada, enquanto 4,2 milhões (73%) exerciam a função sem carteira. Agora, 1,2 milhão (24%) trabalham com carteira, e 4 milhões (76%) não têm o documento assinado.

Em 2019, 2,1 milhões (37,2%) de trabalhadoras domésticas no Brasil contribuíam para Previdência. Agora, esse número caiu para 1,8 milhão (33,7%).

O estudo registrou idade média das trabalhadoras domésticas de 43 anos, sendo a maioria entre 30 e 59 anos.

Renda das trabalhadoras domésticas cai 8%

Segundo a Pnad Contínua, do IBGE, a média nacional de renda mensal das trabalhadoras domésticas caiu de R$ 1.016 para R$ 930, uma redução de 8,46%.

Houve queda em todas as regiões. As trabalhadoras sem carteira ganharam 40% a menos do que as com carteira, R$ 1.338 contra R$ 802. Já as negras receberam 20% a menos do que as não negras, R$ 1.372 contra R$ 1.319.

  • Nordeste: R$ 670 para R$ 615
  • Norte: R$ 764 para R$ 751
  • Centro-Oeste: R$ 1.116 para R$ 1.007
  • Sudeste: R$ 1.115 para R$ 1.044
  • Sul: R$ 1.218 para R$ 1.116

Em meio à redução da renda média mensal, a pesquisa também registrou aumento da proporção de trabalhadoras domésticas chefes de família, saltando de 50,6% para 51,6%.

A Pnad Contínua também analisou a permanência no mesmo trabalho. No 4º trimestre de 2021, cerca de 32% das domésticas tinham menos de um ano de trabalho.