IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Greve de pilotos e comissários chega ao 3° dia; veja aeroportos afetados

No Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foram registrados 9 atrasos e 12 cancelamentos de voos - Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo
No Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foram registrados 9 atrasos e 12 cancelamentos de voos Imagem: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

21/12/2022 09h26Atualizada em 21/12/2022 11h30

A greve dos pilotos e comissários de bordo entrou no terceiro dia nesta quarta-feira (21). As paralisações ocorrem todos os dias, das 6h às 8h, em nove dos principais aeroportos do Brasil.

Pela manhã, segundo a Infraero, foram registrados:

  • 9 atrasos e 12 cancelamentos de voos no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo
  • 14 atrasos e 19 cancelamentos no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro

A Infraero orienta aos passageiros que entrem em contato com as empresas aéreas, uma vez que nem todos os atrasos e cancelamentos têm relação com a greve.

Outros aeroportos

Além dos dois aeroportos administrados pela Infraero, também foram afetados:

  • GRU Airport - Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos: 4 atrasos
  • RIOgaleão - Aeroporto Internacional Tom Jobim: 4 atrasos
  • Fortaleza Airport - Aeroporto Internacional de Fortaleza: 2 atrasos
  • Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP): 2 atrasos e 1 cancelamento
  • Aeroporto Internacional Sagado Filho, em Porto Alegre: 1 atraso e 2 cancelamentos
  • Aeroporto Internacional de Brasília: 1 atraso

O que motivou a greve?

O movimento de pilotos e comissários quer recomposição das perdas inflacionárias e ganho real dos salários, "tendo em vista os altos preços das passagens aéreas que têm gerado crescentes lucros para as empresas", segundo o SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas).

Outra reivindicação da categoria é que os horários de descanso de pilotos e comissários sejam respeitados pelas companhias aéreas.

Por determinação do TST (Tribunal Superior do Trabalho), a greve pode atingir somente 10% dos funcionários das empresas.

Negociações não avançam

O SNA diz que não houve avanço nas negociações com as companhias aéreas. Na terça (20), em transmissão ao vivo pelo YouTube, Henrique Hacklaender, diretor presidente do SNA, afirmou que o movimento vai continuar até que as demandas sejam solucionadas.

Tivemos um primeiro dia muito bom, um segundo dia que vem crescendo, vem melhorando cada vez mais. E vamos para um terceiro, para um quarto, para um quinto. Quantos forem necessários. As empresas não se posicionaram, não apresentaram nada até o momento e nós precisamos chegar em uma resolução.
Henrique Hacklaender, diretor presidente do SNA

Em nota, o SNEA (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias)) destacou que a pandemia impactou fortemente o preço das passagens aéreas e aumentou os custos para as empresas — que, segundo o sindicato, acumulam prejuízo.

"O SNEA enfatiza que as empresas aéreas têm colaborado com a negociação e buscado soluções para garantir o pleno atendimento de todos os seus clientes, especialmente neste período de alta temporada", concluiu.

(Com Estadão Conteúdo)