Conteúdo publicado há 9 meses

Maxmilhas, da 123milhas, vai parcelar pagamentos a clientes após crise

A Maxmilhas anunciou que vai parcelar o pagamento a clientes que venderam milhas na plataforma. A empresa pertence ao grupo da 123milhas, que pediu recuperação judicial nesta terça-feira (29).

O que aconteceu:

Clientes compartilharam o comunicado da Maxmilhas nas redes sociais. A empresa disse que foi "surpreendida" por decisões individuais da 123milhas: "Mesmo tendo operações independentes, estamos lidando com uma restrição de acesso a capital de giro", justifica.

Por isso, infelizmente, teremos que parcelar o pagamento pela venda das suas milhas. Sentimos muito por isso. Realmente nos dói não ter outra opção nesse momento.

Na Maxmilhas, clientes podiam tanto vender as próprias milhas de companhias aéreas nacionais e internacionais, quanto comprar passagens com descontos.

O valor pela venda das suas milhas será reprogramado em 3 parcelas, da seguinte forma a partir da data de vencimento original: 30 dias; 60 dias; 90 dias
Comunicado da Maxmilhas a clientes

Em janeiro deste ano, Maxmilhas e 123milhas anunciaram a fusão das duas empresas, que seguiram atuando de maneira independente.

A crise teve início após a 123milhas suspender a emissão de passagens e pacotes flexíveis em 18 de agosto. A linha Promo, mais barata por não ter datas definidas de ida e volta, foi interrompida sob justificativa de taxa de juros elevadas e passagens aéreas mais caras.

Veja nota da Maxmilhas

Apesar de termos sócios em comum, fomos surpreendidos pelas decisões isoladas tomadas pela 123 Milhas recentemente, assim como todo o mercado. Mesmo com operações independentes, tais decisões estão se refletindo em nosso negócio e, também, no setor, gerando uma escassez de acesso à capital de giro no mercado. Diante desse cenário, conversamos com nossos parceiros, fornecedores e ofertantes de milhas para acertar uma renegociação de alguns pagamentos com o objetivo de alcançar o equilíbrio operacional da empresa. Já superamos desafios parecidos antes e estamos focados em buscar as melhores soluções possíveis para superá-los mais uma vez, mantendo nosso objetivo principal de fazer as pessoas viajarem mais.

Continua após a publicidade

123milhas pede recuperação

A 123milhas entrou com um pedido de recuperação judicial na 1ª Vara Empresarial de Belo Horizonte, cidade onde a companhia é sediada. A solicitação também engloba as empresas HotMilhas e Novum.

A empresa informou uma dívida de R$ 2,308 bilhões no pedido ao TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais). Esse montante, no entanto, poderá ser alterado no futuro após a verificação de créditos pelo administrador judicial.

123milhas solicitou a suspensão imediata, por um período inicial de 180 dias, das ações judiciais de cobrança movidas contra ela, além do pedido de recuperação judicial protocolado no TJMG.

Veja nota da 123milhas sobre recuperação judicial

A 123milhas informa que protocolou hoje (29/08) no Tribunal de Justiça de Minas Gerais um pedido de Recuperação Judicial. A medida tem como objetivo assegurar o cumprimento dos compromissos assumidos com clientes, ex-colaboradores e fornecedores. A Recuperação Judicial permitirá concentrar em um só juízo todos os valores devidos. A empresa avalia que, desta forma, chegará mais rápido a soluções com todos os credores para, progressivamente, reequilibrar sua situação financeira. A 123milhas ressalta que permanece fornecendo dados, informações e esclarecimentos às autoridades competentes sempre que solicitados. A empresa e seus gestores se disponibilizam, em linha com seus compromissos com a transparência e a ética, a construir conjuntamente medidas que possibilitem pagar seus débitos, recompor sua receita e, assim, continuar a contribuir com o setor turístico brasileiro.
123milhas, em comunicado à imprensa

Deixe seu comentário

Só para assinantes