Bolsas

Câmbio

Empresas chinesas limitam vendas de ações pelos principais acionistas

XANGAI (Reuters) - Ao menos 10 companhias chinesas disseram que seus acionistas controladores ou executivos seniores não vão vender ações no mercado secundário nos próximos seis a 12 meses, numa tentativa de sustentar o mercado acionário chinês após o tombo da véspera.

A queda da segunda-feira foi disparada em parte por temores de que proibição de seis meses da venda de ações de companhias listadas pelos seus principais acionistas, imposta durante a deterioração do mercado em 2015, acabe dia 8 de janeiro, destravando ações com valor estimado de US$ 190 bilhões.

A Zhejiang Century Huatong, fabricante chinesa de autopeças de plástico, foi a primeira a anunciar uma extensão voluntária da proibição.

Ela disse que está controlando os acionistas para não venderem ações no mercado secundário até 9 de janeiro de 2017, em uma tentativa de manter a estabilidade dos preços e ajudar a proteger o interesse dos acionistas menores.

Várias outras companhias publicaram comunicados similares.

O regulador de valores mobiliários chinês disse na véspera que está estudando regras para regular as vendas de ações pelos principais acionistas e executivos de companhias listadas.

(Reportagem por Samuel Shen e Pete Sweeney)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos