PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Ministro da Economia do Japão renuncia em meio a escândalo, mas nega suborno

O Ministro da Economia do Japão, Akira Amari, renunciou ao cargo - Shizuo Kambayashi/AP Photo
O Ministro da Economia do Japão, Akira Amari, renunciou ao cargo Imagem: Shizuo Kambayashi/AP Photo

Leika Kihara e Stanley White

28/01/2016 08h49

TÓQUIO, 28 Jan (Reuters) - O ministro da Economia do Japão, Akira Amari, disse nesta quinta-feira (28) que vai renunciar ao cargo para assumir a responsabilidade de um escândalo de financiamento político que abalou o governo, mas negou ter aceitado suborno.

Em uma coletiva de imprensa lotada e televisionada ao vivo, Amari reconheceu ter aceitado dinheiro de um executivo de uma companhia de construção, mas disse que ele falou a seus assistentes para registrar corretamente como doação política.

Apesar de afirmar sua inocência legal, Amari, peça-chave da equipe do primeiro-ministro, Shinzo Abe, disse que vai renunciar para evitar que o escândalo se torne uma distração para os esforços da administração de tirar o país da deflação.

"O Japão está finalmente saindo da deflação... Precisamos aprovar legislação no Parlamento das medidas para superar a deflação e criar uma economia forte o mais rápido possível", disse Amari à imprensa.

"Qualquer coisa que afete isso tem que ser eliminada, e não sou exceção. Portanto, gostaria de renunciar como ministro para assumir a responsabilidade", disse referindo-se ao que assessores fizeram.

Na semana passada, a revista japonesa Shukan Bunshun publicou um artigo acusando Amari e assessores de aceitar dinheiro de uma construtora não identificada em troca de ajudar a empresa a receber compensação do governo por disputas sobre posse de propriedades e remoção de entulho em local público.

(Reportagem adicional por Kaori Kaneko)

Corrupção: Brasil perde posições no ranking da transparência

  •