ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Wall Street se recupera com menor preocupação sobre política na Itália e alta no setor de energia

30/05/2018 18h49

Por April Joyner

NOVA YORK (Reuters) - Os índices acionários dos Estados Unidos fecharam em alta nesta quarta-feira, e o S&P 500 e o Dow registraram seus maiores ganhos percentuais diários desde 4 de maio, por sinais de menor tensão política na Itália e à medida que uma alta nos preços do petróleo impulsionou ações.

O índice Dow Jones subiu 1,26 por cento, a 24.668 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 1,269583 por cento, a 2.724 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,89 por cento, a 7.462 pontos.

Os ganhos do S&P 500 apagaram as perdas de terça-feira, quando o índice registrou sua primeira queda de 1 por cento em maio. Temores sobre instabilidade na Itália e a possibilidade da saída do país da zona do euro levaram investidores a correrem para ativos seguros na terça-feira.

O mercado de Treasuries dos EUA, em uma base de retorno total, teve seu melhor dia na terça-feira desde pelo menos julho de 2011, segundo o Índice Agregado de Treasuries da Bloomberg Barclay.

As ações reverteram a queda de terça-feira no momento em que o movimento italiano 5-Estrelas fez uma nova tentativa de formar uma coalizão de governo e pediu ao eurocético Paolo Savona que retire sua candidatura como ministro da Economia.

O sucesso do leilão italiano de títulos de dívida com vencimento em cinco e 10 anos também amenizou preocupações sobre a habilidade do país de se financiar após uma liquidação nos títulos na terça-feira resultar na maior alta diária para os títulos de dois anos em 26 anos.

As ações de energia registraram os maiores ganhos dos 11 principais setores do S&P 500. O índice de energia subiu 3,1 por cento, maior alta diária em sete semanas, à medida que o petróleo dos EUA subiram 2,2 por cento.

"O risco da Itália deixar o euro é remoto" disse Kate Warne, estrategista de investimentos na Edward Jones. "É uma fonte de volatilidade, mas não uma fonte de real preocupação para os mercados financeiros."

(Reportagem adicional de Medha Singh)

Mais Economia