ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Forças Armadas devem empregar entre 25 mil e 30 mil homens na segurança das eleições

21/09/2018 15h37

RIO DE JANEIRO (Reuters) - As Forças Armadas devem empregar nas eleições deste ano de 25 a 30 mil homens para ajudar na segurança do pleito e permitir que os eleitores possam chegar às zona eleitorais, disse nessa sexta feira o ministro da Defesa, general Silva e Luna, que afirmou que a presença dos militares poderá ocorrer em até 14 Estados.

Segundo ele, até agora nove Estados já solicitaram ajuda às Forças Armadas, mas esse número pode subir ainda mais até a eleição, podendo chegar a 14, ou seja, metade dos Estados brasileiros.

“A participação das Forças Armadas nas eleições tem a ver com a garantia da votação e da apuração. Já há um decreto presidencial determinando o emprego e já há 9 Estados que solicitaram o emprego de forças”, disse ele a jornalistas.

“Estamos preparando efetivos e meios para participar para que a eleição possa ocorrer em clima de normalidade e as pessoas possam se deslocar até o local da votação”, acrescentou o ministro.

O ministro disse que está em permanente conversa com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para definir em que Estados e municípios haverá o emprego das Forças Armadas e citou que já solicitaram formalmente ajuda Rio de Janeiro, Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí, Acre e Amazonas, entre outros.

“Todos serão atendidos e o quanto mais forem necessários e estamos prevendo que venham solicitar ajuda 13 ou 14 Estados”, disse.

No Rio de Janeiro, que se encontra desde o início do ano sob intervenção federal na área de segurança pública, a presença dos militares ocorrerá em cerca de metade dos mais de 90 municípios do Estado. Um levantamento feito pelos militares aponta que quase 2 milhões de eleitores estão em áreas dominadas pelo crime organizado.

Sobre a declaração dada recentemente pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, de que a legitimidade do governo eleito na eleição presidencial de outubro poderá ser questionada, Silva e Luna descartou a interpretação de que o comandante do Exército teria sinalizado que as Forças Armadas poderia não aceitar o resultado.

“A fala dele é conciliatória... A bíblia das Forças armadas é a Constituição e fora desse caminho não há trilha ou caminhada", disse o ministro a jornalistas durante evento organizado pela Fundação Konrad Adenauer, em parceria com o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), no Rio de Janeiro.

“Não há risco nenhum jamais de as Forças Armadas quererem aceitar ou deixar de aceitar aquilo que é legal e institucional. Tem que garantir as instituições funcionarem... a interpretação dessa forma, é equivocada”, disse.

Ao falar sobre a crise de refugiados, o ministro disse que o Brasil tem cumprido seu papel para minimizar o quadro em nível regional.

Silva e Luna ressaltou os esforços do governo para receber imigrantes, em um momento em que tem crescido o fluxo de venezuelanos que chegam ao país. “Nossas fronteiras são abertas e são um traço de união, não de separação, com nossos vizinhos, por meio de uma política permanente de cooperação.”

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia