ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Temer diz que é preciso romper histórico de querer recriar Estado a cada 30 anos

04/10/2018 12h37

(Reuters) - Na véspera do aniversário de 30 anos da atual Constituição, o presidente Michel Temer defendeu nesta quinta-feira que não há caminho fora da Carta Magna e que o Brasil precisa romper seu histórico de querer reinventar o Estado a cada 20, 30 anos.

"O correto é dizer, reiterar, enaltecer, ressaltar, repetir, afirmar e reafirmar, que não há caminho fora da Constituição federal”, disse Temer em cerimônia sobre educação no Palácio do Planalto.

A declaração do presidente ocorre no meio de uma campanha eleitoral em que o programa do candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, menciona a eleição de uma Assembleia Constituinte exclusiva, e o candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general da reserva Hamilton Mourão, falou na possibilidade de uma Constituinte formada por notáveis.

Haddad já suavizou a proposta, afirmando que uma Constituinte virá "se o Congresso assim entender", e membros da campanha de Bolsonaro rebateram os comentários de Mourão, afirmando que o papel para reformar a Constituição cabe àqueles "que têm legitimidade para isso".

"Nós temos uma vocação, quase uma necessidade, quase uma compulsão, para cada 30 anos, em vez de nos unirmos e dizermos ‘vamos levar o país para frente’, não, nós temos uma crise institucional, precisamos modificar o país”, disse, num momento de fortíssima polarização na disputa eleitoral.

"Vamos romper com esse ciclo perverso que domina a história brasileira, a história estatal, constitucional brasileira e que, a cada 20, 30 anos, precisa haver uma crise para mudar o Estado brasileiro. Não é isso não."

Pouco depois da cerimônia, a NBR exibiu entrevista do presidente ao canal estatal sobre os 30 anos da Constituição e reforçou que o importante é evitar retrocessos.

"Temos uma democracia consolidada, o que a gente precisa é tomar cuidado para não retroceder", disse o presidente.

"O que precisa daqui para a frente é fazer as reformas para as quais nós abrimos caminho", acrescentou.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Mais Economia